Rondonenses pararam o trânsito, no perímetro urbano de Marechal Cândido Rondon, da BR 163, na manhã de hoje (17), para sensibilizar e alertar as autoridades, a respeito da falta de segurança que os moradores, do bairro Higienópolis e arredores, enfrentam ao atravessar a BR 163.

A manifestação foi conduzida de forma pacífica. Uma equipe da Polícia Rodoviária Federal esteve no local, e outra equipe ficou no trevo da AACC para orientar um trajeto alternativo aos motoristas, já que a rodovia havia sido fechada pelos manifestantes.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

De acordo com o senhor Waldir Xavier Paim, morador do Bairro Augusto, o protesto desta manhã foi muito válido, pois é de conhecimento geral a dificuldade que as pessoas enfrentam para entrar na BR. “É difícil atravessar a pé e de bicicleta, e também é bastante complicado entrar na pista de carro ou de moto, tem horários de pico que são filas e filas de carros e carretas”, informa.

A senhora Nair Galla que mora próximo a BR também acredita que o protesto foi muito importante. “Todos os dias percebemos a dificuldade que as pessoas enfrentam ao fazer esta travessia, precisamos urgentemente de uma medida para amenizar este problema”, observa.

manifesto-mcr3

Trecho perigoso
A manifestação ganhou força e adesão de diversos rondonenses depois que a senhora, Maria Aparecida Ferreira Griep, de 47 anos de idade, foi atropelada na tarde de ontem (16). O acidente a deixou em estado grave e a mesma está na UTI do Hospital Bom Jesus, em Toledo.

Segundo relatos de moradores que viram o acidente na tarde de ontem, a motorista do carro Ford/Fiesta estava em alta velocidade, sendo que “rampou” a lombada e atingiu a senhora que estava atravessando a BR.

Os moradores contam que esta travessia está cada vez mais complicada de se fazer. Inclusive muitos idosos e crianças estão sempre precisando atravessar a pista. “A travessia as vezes demora bastante, porque são poucos motoristas que respeitam a faixa de pedestres que tem na pista, geralmente os caminhoneiros param, mas os carros de passeio dificilmente param”, concluíram.

manifesto-mcr

manifesto-mcr2

manifesto-mcr4

Fonte: Portal Rondon