Hospital Filadélfia, em Marechal Rondon (foto: internet)

Os funcionários e a 20ª Regional de Saúde, de Toledo, já foram comunicados pela direção do Hospital Filadélfia, que a unidade vai fechar as portas. O comunicado foi feito esta semana, inicialmente aos trabalhadores e, na quinta-feira (11) ao Estado, através da Regional de Saúde.

Com 63 anos de história, o Hospital Filadélfia constitui no primeiro hospital de Marechal Cândido Rondon, construído e administrado pela família Seyboth. Inicialmente funcionou como hospital clínico e nos últimos anos exclusivamente na área da psiquiatria.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Em contato com a assessoria do hospital, esta confirmou que as atividades serão encerradas e que a unidade será desativada. A direção do hospital deverá pronunciar-se oficialmente em entrevista coletiva prevista para a próxima quarta-feira (17), quando deverá apresentar todas as razões e argumentos pela decisão tomada.

hospital-filadelfia-2Acúmulo de prejuízos

Sabe-se que pelo menos nos últimos 15 anos o Hospital Filadélfia vinha lutando para conseguir se manter financeiramente. Porém, o prejuízo da unidade foi se acumulando, obrigando a direção a injetar cerca de R$ 12 milhões neste período, para conseguir manter o hospital funcionando e, mesmo assim, vendo a dívida e as dificuldades aumentarem.

Com a recente crise financeira que o Governo do Estado vem passando, os pagamentos aos prestadores de serviço, como é o caso do hospital, também foram cortados. Informações extraoficiais dão conta de que desde outubro de 2014 a unidade praticamente não recebeu mais repasses do Governo, acumulando no período um crédito de aproximadamente R$ 1,2 milhão.

A falta de perspectivas para a regularização destes repasses e a ausência de qualquer perspectiva de reajuste no valor que vinha sendo repassado anteriormente foram fatores preponderantes na decisão de encerrar as atividades.

Trabalhadores

Atualmente, o Hospital Filadélfia emprega cerca de 140 trabalhadores. Na conversa com os trabalhadores, a direção assumiu que irá cumprir com todas as obrigações rescisórias.

Alguns serviços, como a lavanderia, por exemplo, devem continuar funcionando, para atender a demanda do Hospital Rondon, que também é da família. Algumas pessoas de outros setores, como enfermagem, recepção e outros, também devem ser realocadas no Hospital Rondon.

Pacientes

O Hospital Filadélfia já não está mais recebendo novos pacientes e os que estão em tratamento atualmente deverão ser transferidos para outras unidades. A unidade mantinha 160 leitos através da Central de Leitos da Secretaria de Estado da Saúde. Além disso, havia outros 10 leitos para tratamento de adolescentes, exclusivamente para casos de saúde mental.

Com o encerramento das atividades, ele enfraquece a rede de atenção à saúde mental do Estado, que até então contava com 14 hospitais no Paraná e agora perde os serviços do Hospital Filadélfia, que era o único da região Oeste nesta área.

Portal Guaíra com informações do Aqui Agora