ad

O Tribunal do Júri da Comarca de Marechal Cândido Rondon está julgando desde às 09h de hoje (29) os réus Everton Victor da Silva, Paulo Cesar de Souza e Sidmar de Souza Santos.

Eles são detentos e acusados de na noite de 30 de novembro de 2012 terem assassinado o “colega de cela”, Jaime Santana de Araújo, no interior da cadeia local.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Poucas horas depois de ter sido recolhido em uma das celas da cadeia pública de Marechal Cândido Rondon, em função de ser foragido do Centro de Detenção de Foz do Iguaçu, Jaime foi espancado pelos outros detentos.

MARECHAL3

O homicídio aconteceu na área chamada de “seguro”, na qual estavam recolhidos cerca de 20 detentos que, a exemplo de Jaime, teriam praticado atentado violento ao pudor ou outros crimes repudiados até mesmo por criminosos.

Informados da confusão registrada no interior da cela, plantonistas da Delegacia de Polícia chamaram uma equipe do Corpo de Bombeiros para a retirada do detento ferido e seu encaminhamento para atendimento médico.

Jaime Santana de Araújo morreu a caminho da unidade hospitalar, enquanto a Polícia Civil abriu o competente inquérito para apurar quem teriam sido os presos com envolvimento nas agressões fatais.

Apurou-se que, além de Everton Victor da Silva, Paulo Cesar de Souza e Sidmar de Souza Santos, o crime teria tido a participação de outros dois detentos, porém, estes serão levados à julgamento em outras oportunidades.

O caso envolvendo o assassinato no interior da cadeia pública de Marechal Cândido Rondon teve grande repercussão, não só pelo episódio em si, mas também pelo tempo que o corpo da vítima ficou na geladeira do IML de Toledo.

Como seus pais adotivos não tinham documentação comprovando o processo de adoção, somente depois de 09 meses é que a Justiça da Comarca de Medianeira concedeu autorização para a liberação do corpo e seu sepultamento em Missal.

Um forte esquema de segurança foi montado para a sessão de julgamento, haja vista que, além dos réus, todas as testemunhas são detentos e representariam perigo para a comunidade de Marechal Cândido Rondon.

O julgamento é presidido pelo juiz Clairton Mário Spinassi, na acusação está atuando o promotor de Justiça, Marcelo Augusto Ribeiro, e na defesa dos réus os advogados Antônio Marcos Aguiar e Rogério Grenzel.

Já o Conselho de Sentença é formado por Antônia Postai, Célia Vigorena, Maria Tereza Drumont, Daniela da Silva, Ana Carolina Seyboth Kurtz, Maria Ludes Schneider Silva e Artidôr Augusten.

MARECHAL

MARECHAL2

Fonte: Gladiston Pecheco/Rádio Difusora do Paraná
Fotos: Patrícia Schulz/Portal Rondon