Dos 144 presos, 24 já foram condenados e permanecem na cadeia pública (foto: Aílton Santos/O Paraná)
Dos 144 presos, 24 já foram condenados
e permanecem na cadeia pública (foto: Aílton Santos/O Paraná)

A falta de infraestrutura e de saneamento básico na cadeia pública de Marechal Cândido Rondon é hoje um grande problema a preocupar as autoridades do município. O local abrigava ontem 144 detentos, quando sua capacidade é para apenas 18. O excedente chega a absurdos 700%, o que agrava sobremaneira a situação.

Em busca de uma solução para o problema, o prefeito Moacir Froehlich esteve reunido na terça-feira, em Curitiba, com o deputado Ademir Bier e a secretária da Justiça, Cidadania e Diretos Humanos do Paraná, Maria Tereza Uille Gomes. Durante o encontro, a representante do governo estadual se comprometeu a analisar o caso e determinar, o mais breve possível, a remoção dos presos já condenados, em número de 24. Ela também acenou com a possibilidade de construção de um novo espaço em breve.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

OUTROS PROBLEMAS

Mas a superlotação não é a única preocupação nesse caso. As fossas da cadeia já não suportam mais a demanda. Um caminhão é utilizado diariamente, mas nem assim o esgotamento tem atingido níveis satisfatórios. Resultado: um forte odor torna o ar insalubre para detentos, funcionários da cadeia, visitantes e até moradores vizinhos.

A pedido do Ministério Público, uma vistoria foi feita no prédio por servidores da Vigilância Sanitária e da Secretaria de Saúde. O MP ainda aguarda o laudo, que fica pronto nos próximos dias, para decidir que providências tomar.

Fonte: Karine Demezuk/O Paraná
Foto: Aílton Santos