Crédito: Luiz Fernando Cerni
ad

“Se o Estado falar não, faremos com recursos próprios” frisou o prefeito Marcio Rauber, em relação à pavimentação asfáltica sobre pedras irregulares na rodovia que liga o distrito rondonense de Margarida ao município de Pato Bragado. A fala do chefe do executivo foi feita para dezenas de pessoas que participaram de um ato pacífico, na manhã desta sexta-feira, na saída de Margarida a Pato Bragado. Participaram também, o vice-prefeito Ila, o secretário de Mobilidade Urbana, Coronel Welyngton Alves da Rosa, e o vereador Chico Sauer.

A população presente ao ato ouviu atentamente a explanação do prefeito rondonense, ficando claro que a administração municipal está empenhada em solucionar a questão e oferecer aos usuários uma rodovia asfaltada, ao contrário do que aconteceu na última gestão.

Na oportunidade, o prefeito informou que tem uma audiência marcada com o secretário de Infraestrutura e Logística do Paraná, o deputado federal Sandro Alex, para tratar sobre o convênio para a obra em Margarida. Nessa reunião, haverá a participação do deputado federal José Carlos Schiavinatto. O convênio está entre os diversos assinados em vários municípios do Paraná, pela gestão estadual anterior, e que neste novo governo, foram suspensos por 60 dias para análise. “Caso recebamos um não, utilizaremos recursos próprios para esta obra. Mas, tenho a confiança de que o estado irá liberar”, disse o prefeito.

O convênio com o governo do Paraná foi assinado em novembro do ano passado. O projeto e o processo licitatório foram concluídos, estando tudo pronto para o início dos trabalhos. A obra contará com recursos do estado na ordem de R$ 1.080.000,00, mais a contrapartida do município de R$ 384.564,41.

Segundo o prefeito Marcio Rauber, tudo o que era de obrigação do município, foi feito em tempo hábil. Para ele, a reivindicação da população é justa, pois as pedras irregulares que foram implantadas naquela rodovia são de péssima qualidade e causam transtornos aos usuários.

Em caso de uma resposta negativa do secretário da SEIL, recursos próprios do município serão utilizados, porém, terá que ser feita uma nova licitação e todo o processo demorará alguns meses, por conta da burocracia. No caso do sim, o prefeito poderá acionar a empresa vencedora da licitação já feita para que a obra seja executada.

Portal Guaíra via Assessoria


CLINICA SALUTAR