A Polícia Civil de Marechal Cândido Rondon divulgou, nesta quinta-feira (7), uma nota informando sobre a prisão do companheiro de Edna Storari, que está desaparecida desde setembro. A suspeita é de homicídio e fraude processual.

Leia a nota da Polícia Civil de Marechal Rondon, na íntegra, assinada pelo delegado Rodrigo Baptista Santos.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Desde a data de 27/09/2021, a Polícia Civil tomou conhecimento do suposto desaparecimento da empresária rondonense Edna Storari, de 56 anos. A filha procurou a polícia relatando que a mãe estava sumida há mais de uma semana e que o marido não havia feito a comunicação.

Com o comparecimento da filha, a polícia, ao chegar a casa da vítima, foi recebida pelo companheiro, que disse estar saindo para fazer o boletim naquele momento, o que já causou estranheza.

O companheiro, de 60 anos, apresentou a versão de que a vítima havia viajado para o Paraguai com um casal de amigos de Guaíra, que ele não tinha conhecimento de quem era, não levou o celular e ainda pediu para que o mesmo formatasse o aparelho.

Iniciaram-se as diligências e na casa da vítima surgiram as primeiras evidências que a história apresentada não parecia proceder, pois as roupas, maquiagens e joias estavam no lugar.

Aprofundando, constatou-se ainda que alguns dias após o sumiço o companheiro começou a procurar a vizinhança pedindo que os vizinhos apagassem imagens de câmeras de segurança.

Assim, o inquérito foi sendo instruído e toda a versão apresentada pelo companheiro ficando sem base verdadeira.

Com a reunião de todos esses elementos, foi representado pela prisão temporária do mesmo, passando assim à qualidade de investigado por um suposto crime de homicídio e fraude processual.

Em sede policial, negou os fatos mantendo a mesma versão inicial. O apurado aponta para um caso bárbaro motivado possivelmente pela vítima desejar a separação.

O inquérito policial agora continua o trâmite a fim de finalizar com o indiciamento do investigado e localização da vítima.

As informações são do O Presente