Na tarde de ontem (24), por volta das 17h02, a Polícia Militar (PM) foi acionada pela central de operações para se deslocar à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Marechal Cândido Rondon para atender uma suposta situação de importunação sexual. Uma equipe da PM foi até o local e contatou as solicitantes. Elas denunciaram um paciente que estava recebendo atendimento médico como responsável pela importunação.

O homem foi encaminhado para tomar banho no banheiro quando teria olhado para a profissional e teria dito que “queria conversar sobre sexo”. A vítima, por sua vez, disse para ele finalizar o banho para que pudesse ser encaminhado onde ficaria. Diante do pedido, o paciente teria perguntado “se ela achava que ele não tinha sangue nas veias para fazer o que queria”. Na sequência, a profissional teria se retirado do local.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Posteriormente, o acusado foi encaminhado para o quarto e a enfermeira foi fazer um curativo nele, momento em que ele teria assediado a profissional, passando a mão nela. Outra enfermeira teria ido auxiliar a companheira de serviço e o suspeito teria tentado assediar ela também, mas não teria conseguido.

Conforme o relatório policial, quando estava no quarto, posteriormente, o homem teria retirado sua parte íntima para fora na presença de enfermeiras, pacientes e acompanhantes que estavam no mesmo ambiente.

Diante da intenção de representação das partes, o suspeito e as vítimas foram encaminhados à 47ª Delegacia Regional de Polícia Civil para os procedimentos cabíveis.

Segundo as noticiantes, aquela não havia sido a primeira vez que aquele paciente teria perturbado e importunado as funcionárias do local, sendo que ontem elas resolveram fazer a representação contra ele.

As informações são do O Presente