ad

O clima deve esquentar na sessão ordinária de hoje da Câmara de Vereadores de Marechal Cândido Rondon, a partir das 18h, especialmente devido a troca de acusações feita pelos vereadores Josoé Pedralli e Nilson Hachmann.

Tudo começou na quinta-feira passada, quando o vereador Pedralli protocolou denúncia contra Hachmann na 1ª e 2ª Promotorias de Marechal Rondon, no Gaeco de Foz do Iguaçu, e também no próprio Poder Legislativo.

LEIA MAIS
Marechal – Vereador Nilson se defende de acusações que pedem cassação de seu mandato

Na Casa de Leis, ele ingressou com um pedido de cassação do mandato do colega por quebra de decoro parlamentar.

De acordo com Josoé Pedralli, foram sete meses de trabalho investigatório que resultaram em um dossiê com 1 mil e 500 páginas.

Nesse dossiê o vereador Nilson Hachmann é acusado de supostamente criar empresas em nome de terceiros para firmar contratos com a Prefeitura para venda de materiais de construção e tintas, reformas em escolas e pedras irregulares.

Mensagens de WhatsApp, vídeos, áudios, procuração pública e documentos oficiais foram anexados à denúncia.

As duas empresas atualmente em atividade estariam no nome de um filho e de um funcionário de Nilson.

Segundo as denúncias, as empresas que venceram licitações públicas seriam de fachada, pois os endereços indicados são os mesmos de uma empresa do vereador Nilson, do ramo de comércio de tintas.

O vereador acusado não deixou por menos e disse que o vereador Pedralli é conhecido plantar discórdia e falsas denúncias por onde passa.

Ao defender-se dizendo que em mais de 20 anos de serviços públicos prestados no município, seja como vereador ou secretário, jamais houve uma denúncia contra ele por desvio de recursos públicos, Nilson Hachmann também coloca a disposição sua declaração de Imposto de Renda e seu extrato bancário.

Além desse embate, a Câmara de Vereadores de Marechal Cândido Rondon está trabalhando na sindicância que apura possíveis irregularidades praticadas pelo vereador Adelar Neumann, o qual continua preso na Penitenciária de Cascavel.

Ele é acusado de supostamente cobrar “mensalinho” de um servidor municipal indicado por ele para trabalhar na Prefeitura.

As informações são da Rádio Difusora do Paraná


ad