Um dia depois de concordar com trégua de 15 dias nas invasões de terra em Mato Grosso do Sul, durante reunião das próprias lideranças com um representante do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e produtores rurais no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, índios terena ignoraram o acordo e invadiram duas propriedades ontem à tarde, ambas vizinhas à Fazenda Buriti, palco de violenta operação de reintegração de posse na quinta-feira passada, que resultou na morte do indígena Oziel Gabriel.

A primeira invasão de ontem (2), na Fazenda Cambará (que chegou a ser ocupada temporariamente pelos índios no mês passado, na mesma data em que foi retomada a Buriti), ocorreu por volta das 14h, horário em que um grupo de aproximadamente 30 indígenas adentrou a propriedade e disse para os três funcionários da fazenda deixarem o local, o que foi acatado.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Eles foram dizendo que não tinha conversa, que a terra era deles e era para sair. Os funcionários saíram com a roupa do corpo”, contou o proprietário da Cambará, Vanth Vanni. Para trás, foram deixadas 1.200 cabeças de gado PO. Um dia antes da invasão, houve incêndio na pastagem, uma ação provocada pelos próprios índios. Ainda conforme o proprietário rural, há interdito proibitório sobre a propriedade, que está incluída nos 17 mil hectares de terra pleiteados pelos indígenas na região próxima à Aldeia Buriti.

indios-em-sidrolandia

Fonte: CapitanBado/Correio do Estado
Foto: Paulo Ribas