editorialO ano de 2016 é de eleição municipal e como em todos os anos alguns agentes políticos que ocupam cargos no governo precisam se “descompatibilizar”. Neste ano, quem ocupa cargo de confiança deve sair até o dia 01º de abril, por força da legislação vigente.

E é aí que começam as perguntas: Quem sai? Quem substitui?

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O Portal Guaíra buscou informações oficiais e extraoficiais e conseguiu reunir alguns nomes como pré-candidatos a vereador.

O professor e secretário de Educação e Cultura Idivaldo Capatti (DEM) “entrega” o posto no dia 31 deste mês. Capatti deve pleitear uma vaga na Câmara e foi até mesmo cogitado como possível pré-candidato a vice-prefeito. Em seu lugar assume a professora Marli Jardim.

Também está confirmada a saída de Gileade Osti (PSC) da Secretaria de Turismo. O jovem secretário deve tentar pela segunda vez uma vaga na Câmara de Vereadores. O prefeito, segundo informações extraoficiais, não deve nomear um substituto, deixando a secretaria nas mãos do diretor Thomaz Luiz Zeballos, o Guga.

Outros nomes devem deixar o governo no dia 31 para buscar uma cadeira no Legislativo. São eles os diretores Daniel Gonçalves da Silva (Lazer, DEM), Ulisses “Pingo” Rodrigues Alves Neto (Atividades Auxiliares), Elza Romoda (Saúde, PT) e Evaldo Luís Mendes, o Vavá (Agência do Trabalhador, DEM).

Outros nomes ainda permanecem como uma incógnita, casos do chefe de Gabinete e ex-vereador Carlos Alberto Leite (Diba, DEM), do diretor de Cultura Cristian Aguazo (REDE Sustentabilidade), do atual vice-prefeito Osmar Volpatto (PP) e Edson Manoel Auler (Guarda Municipal, PR).

A surpresa fica por conta de João Carlos Hartekoff (Vigilância Sanitária, PROS), Luís Ferroquina (diretor de Urbanismo, PT) e Marcos Beffa (diretor de Estrada e Rodagem, sem partido), que já declararam que não devem buscar uma candidatura. Beffa, por ter tentado nas últimas duas eleições, era um nome esperado. Já João Carlos e Ferroquina foram consideradas “aquisições políticas” por parte deste grupo, tendo em vista que ambos eram históricos aliados do grupo opositor. Nos bastidores, era nítida a impressão de que ambos seriam pré-candidatos naturais, tendo João Carlos o histórico de dois mandatos na Câmara Municipal.

Como sempre, nos resta aguardar o próximo dia 31 de março, onde saberemos com certeza como ficará a famosa “dança das cadeiras”.