Com o objetivo de regularizar a situação documental dos imóveis de moradores da Vila Eletrosul, a Prefeitura de Guaíra iniciou na quarta-feira (24) o processo de regularização fundiária.

O atendimento, que reúne servidores do quadro técnico da Secretaria de Ação Social, Coordenadoria de Habitação e Procuradoria Jurídica, foi organizado no Centro Comunitário da Eletrosul/Residencial.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

DSC03514

A equipe técnica da prefeitura recolheu a documentação exigida das primeiras 25 famílias convocadas (certidão de casamento ou nascimento, identidade e CPF, carteira de trabalho, título de eleitor, carnê de IPTU, conta de água ou luz e contrato/minuta ou outro documento do imóvel) e iniciou o trâmite legal. “Hoje é apenas o primeiro de muitos destes encontros. Ao longo destes quatro anos, teremos muito trabalho para podermos enfim fazer este ousado trabalho de regularização que é, na verdade, um grande trabalho social”, destacou o procurador jurídico do município, Wilson Lopes.

Entenda

A ação é um esforço conjunto da Coordenadoria de Habitação, Secretaria Municipal de Ação Social e Procuradoria Jurídica, através da lei municipal 1518/2007, e visa regularizar a situação de milhares de famílias guairenses.

Segundo Juliano de Oliveira, coordenador de Habitação, existem hoje quase 1.300 imóveis em Guaíra em situação irregular, ou seja, em que as pessoas têm a posse, mas não a escritura das residências.

DSC03517

Juliano informou que nos primeiros meses deste ano uma equipe técnica buscou identificar estes imóveis e preparar uma estratégia de ação. “Hoje nós conhecemos a realidade municipal e temos um plano de trabalho para ser realizado ao longo dos 4 anos”, diz.

A Eletrosul será o primeiro bairro a passar pelo processo, uma vez que já existe uma experiência neste sentido. Em 2007, durante o primeiro mandato de Fabian Vendruscolo, 79 famílias foram beneficiadas. “Nós conseguimos regularizar 79 residências em 2007. Foi um processo em que ainda estávamos aprendendo e ficamos impossibilitados de fazer o restante porque já estávamos em 2008 e aí houve a eleição. Agora, como voltamos ao trabalho administrativo, esperamos dar continuidade àquele trabalho”, explicou Wilson Lopes.

DSC03522

Fonte: Assessoria