ad

[dropcap color=”#eeee22″]N[/dropcap]este ano, os artistas locais e convidados de outros municípios foram peças fundamentais dentro da programação da 41ª Festa das Nações.

Não houve banda contratada para animar o público, a responsa ficou mesmo com os chamados pratas da casa. “E eles valem ouro, viu?”, brinca a diretora de Cultura Marli Jardim. “Fizeram excelentes apresentações e demonstraram todo o nosso potencial. O artista precisa de incentivo e tentamos fazer a nossa parte”, diz, categórica.

Na primeira noite, os capoeiristas comandados pelo professor Jesus demonstraram que a arte genuinamente brasileira continua em alta em Guaíra.

A banda Golde N′ Soul foi também um dos destaques. A banda tem em seu repertório blues, rock e soul music, além de composições próprias. O grupo é formado pelo guitarrista Henrique Freire, Fabio Dionisio (Bill) e a vocalista Carol Carvalho.

Como bons brasileiros, o grupo Tô Batucando levou muito samba e pagode ao palco da Fronteira do Leite.

A noite ainda teve o reggae contagiante de Carlinhos D′Jah, com participação especial de Mamma Quilla. Nascido em Londrina, Carlinhos começou cedo. Aos 13 anos, iniciou seus primeiros projetos em Guaíra, passando por vários estilos musicais. Há cinco anos, aposta na positividade do reggae, levando suas apresentações para vários lugares do Brasil, Paraguai e até Argentina. Seu novo CD, “No Escudo da Fé”, conta com participação das bandas Mamma Quilla e Planta e Raiz, expoentes do gênero.

A segunda noite contou com a participação dos alunos de dança da professora Elizete Coltri. Depois, a banda Síndrome de Estocolmo fez um animado show, com direito a uma versão dos Ramones, banda cultuada em Guaíra.

No palco da Fronteira do Leite, muito sertanejo dançante com Beto e Alex.

Felipe Cavalieri, da região metropolitana de Curitiba, também levou o que há de mais moderno no sertanejo universitário, antes da apresentação de Antony e Gabriel.

O guairense Ricardo Lins fechou a noite com seu já conhecido trabalho. Ricardo foi finalista do antigo programa Astros, do SBT, e de lá para cá tem se firmado na região com sua bela voz.

O domingo teve muito rock and roll com a banda Universotários e as apresentações poéticas do poeta e compositor Edson Galvão e também da Orquestra de Violões.

A sempre competente e simpática Anna mostrou mais uma vez porque é sempre cotada na Festa das Nações e promoveu um belo espetáculo no Palco Cultural RPC.

Ricardo Denchuski e banda fizeram o dever de casa e abriram as portas para o show de Bruna Viola.

Depois do show da bela cantora, Adson e Jeferson demonstraram mais uma vez porque formam uma das duplas mais afinadas da região. O show só acabou depois da apresentação do jovem Márcio Garcia.

No último dia, apesar da chuva, houve a apresentação do grande show infantil com príncipes e princesas.

Quem também roubou a cena em todas as noites foram as apresentações folclóricas, num resgate cultural da Festa das Nações. Dança Árabe, Grupo Folclórico Paraguaio, Grupo Folclórico Alemão, Grupo Folclórico Português e o Grupo de Taiko, do Japão, encantaram a todos.

Por causa da chuva, uma aguardada apresentação da Escola Municipal de Circo teve que ser adiada. O grupo liderado pelo professor Marcelo de Lima vai agendar a ensaiada apresentação no Cine Teatro Sete Quedas em data ainda a ser confirmada.

Pelo Palco Cultural RPC, fecharam a festa o grupo Nova Geração e o Trio Red Nails.

“Valeu a pena confiar nos nossos talentos. Eles seguraram a festa e deram verdadeiros shows. Deixo aqui a minha satisfação. Guaíra está de parabéns”, resumiu o prefeito Heraldo Trento.

 

 

Portal Guaíra via Assessoria


ad