Depois de terem dominado um carcereiro, quando este recolhia uma lixeira no interior de um das celas, nove detentos fugiram no princípio da tarde de ontem da cadeia pública de Guaíra.

Cadeia pública de Guaíra tem capacidade para 64 presos e abriga mais de 200 (Foto: Reprodução/RPC TV)
Cadeia pública de Guaíra tem capacidade para 64 presos e
abriga mais de 200 (Foto: Reprodução/RPC TV)

Na lista dos fugitivos estão:

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------
  • Márcio Alves de Oliveira
  • Lesley Carlos Gomes do Santos
  • Jeison Alessandro da Silva
  • Rogério Ferreira
  • Anderson Marcos Rocha
  • Ronaldo Aparecida da Silva
  • Claudino Alvarez Martins
  • Irineu dos Santos Cordeiro (recapturado)
  • Isack Francisco Felipe (recapturado)

No momento em que um dos carcereiros entrou no quadrante para retirar uma embalagem que servia de lixeira, os detentos que estavam naquela área partiram para cima dele e acabaram por dominá-lo.

Posteriormente eles não tiveram dificuldades para estourar a janela que dá acesso ao setor de carceragem e, segundo as informações liberadas pela Polícia Civil, conseguiram fugir pela porta dos fundos da Delegacia.

Todos os organismos policiais de Guaíra foram mobilizados na tentativa de localizar os fugitivos e não demorou para que pescadores observassem atitudes suspeitas na região da antiga prainha.

Policiais militares e rodoviários federais concentraram suas ações às margens do rio Paraná e recapturam dois dos nove fugitivos: Irineu dos Santos Correia – preso por violência doméstica; e Isack Felipe – preso por homicídio.

Informações levadas ao conhecimento da Polícia Civil dão conta que os presos teriam tido apoio de um utilitário Montana e de uma motocicleta.

CADEIA INTERDITADA

A cadeia pública de Guaíra foi construída para abrigar 64 detentos, mas atualmente conta com mais de 200 encarcerados.

A exemplo do que aconteceu em Marechal Cândido Rondon, o Poder Judiciário de Guaíra atendeu a uma sugestão do Ministério Público Estadual e também interditou aquela repartição para abrigar os presos.

O problema é que o Estado não está cumprindo com a determinação judicial de transferir os apenados, o que não diminui o “caos existente”.

Vale ressaltar que, caso não consiga reverter a decisão judicial, o Estado pagará multa por cada preso condenado não transferido para uma penitenciária.

Redação Portal Guaíra