Alvo de duras críticas por parte da população, os trabalhos de instalação de lombadas na zona urbana de Guaíra ainda não foram concluídos. De acordo com a Secretaria Municipal de Planejamento, o próximo passo agora é a sinalização horizontal (pintura) em 52 quebra-molas da cidade.

A Secretaria, em nota, pede desculpas pelos transtornos, mas justifica a intervenção citando uma recomendação do Ministério Público, bem como um estudo técnico, baseado na legislação atual de sinalização de trânsito, que foi realizado para mapear as lombadas existentes no município e propor soluções.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Uma das regulamentações que pautam esse estudo é a resolução 39/1998, do CONTRAN(Conselho Nacional de Trânsito), que regulamenta “padrões e critérios para a instalação de ondulações transversais e sonorizadores nas vias públicas”.

Esse estudo revelou que todas as mais de 150 lombadas do município estavam irregulares, seja quanto à posição, altura, largura ou sinalização. Com recursos para a correção de 52 lombadas, a Secretaria de Planejamento elaborou um projeto, em parceria com a Polícia Militar, Polícia Rodoviária Federal, Guarda Municipal, além de outras autoridades competentes, para definir quais locais seriam as prioridades.

Esse planejamento também foi pautado pelos pedidos de populares através das reuniões do Planejamento Participativo e de requerimentos, indicações dos vereadores e a avaliação das autoridades de segurança, para definir os locais onde seriam instaladas novas lombadas ou readequadas as lombadas já existentes.

Nesse primeiro momento, foram 20 novas lombadas e 32 readequações nas lombadas antigas.

DSC00665

Os novos quebra-molas estão substituindo os antigos, que estavam irregulares, em esquinas, por exemplo. Ao todo, estão sendo reformulados nesse primeiro momento 52 quebra-molas e até 2016 pretende-se ter todos os quebra-molas dentro dos padrões legais, em relação à altura, largura e localização.

Segundo a engenheira responsável, Andreia Dias Andrade, as empresas ainda estão executando os serviços e têm sido constantemente fiscalizadas quanto à qualidade. A obra só será entregue quando o padrão de qualidade estiver de acordo com as normas estabelecidas pelo projeto.

Ela também esclarece que os critérios utilizados para a localização das lombadas seguiu a necessidade de redução de velocidade, alto índice de acidentes, proximidade a escolas, dentre outros critérios levantados em reunião com as autoridades de trânsito. “As pessoas têm todo o direito de reclamarem, pois sabemos que obras causa transtorno. Mas em breve as pessoas vão perceber que a medida, a longo prazo, vai surtir um efeito positivo”, justificou.

Para Juliano, muitas críticas foram levantadas porque as obras pegaram as pessoas de surpresa. “Os trabalhos de instalação dos quebra-molas aconteceram de maneira muito rápida e a empresa que ficou responsável pela instalação de placas demorou um pouco mais”, disse. “Mas agora todas as placas já foram colocadas e em breve entregaremos a obra dentro dos padrões”, completou.

DSC00667

Durante reunião realizada na semana passada (dia 20) na Câmara, os vereadores também questionaram a existência de quebra-molas próximos um ao outro ou a falta de acabamento ao remover uma lombada. Os responsáveis informaram que alguns quebra-molas irregulares foram substituídos por novos e que os antigos serão retirados e o asfalto refeito, mas essa parte da obra será realizada pelo próprio Município. Como as equipes responsáveis estão trabalhando nos recapeamentos em outros pontos da cidade (neste momento, na zona rural), essas retiradas de lombadas ou correções do asfalto podem atrasar, mas serão todas regularizadas o mais rápido possível para evitar maiores transtornos.

Depois de refletir e pesquisar sobre o assunto, o presidente da Câmara, Almir Bueno, se manifestou favorável à remodelação das lombadas e instalação de travessias elevadas quem vem sendo realizada pelo Município. Na tribuna, o vereador destacou a coragem da administração, que arriscou sua popularidade para atender a legislação. “Nenhum prefeito teve coragem de fazer essa remodelação. É preciso enfrentar essa situação, mesmo que muitos sejam contra ela hoje”, afirmou Almir.

Fonte: Assessoria