ad

[dropcap color=”#dd3333″]N[/dropcap]a madrugada de hoje (20), por volta das 02h10, uma equipe de PMs, atendendo solicitação repassada pela Central de Operações 190, se deslocou até a Rua Caetano Cavalhieri, no bairro Jardim Zeballos, onde segundo o solicitante relatou a Central, ele estava transitando com sua motocicleta quando avistou dois homens agredindo um terceiro que estava caído sobre o asfalto.

Imediatamente a equipe foi até o local informado, porém, nem os autores da agressão e nem a vítima foram localizados.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Mas, tendo conhecimento do nome de um dos acusados, os PMs se deslocaram até a Vila São Francisco e, com apoio de mais uma equipe de Policiais Militares, lograram êxito em localiza-lo em uma residência. Ele (homem de 39 anos de idade) confessou a autoria da agressão.

Na sequencia a equipe se deslocou até o Parque Hortência, onde a Central 190 informou estar a vítima, o qual se encontrava com lesões na região da cabeça, provocados pelos golpes de pedra dados pelos autores.

A equipe do SAMU compareceu no local, prestou os primeiros socorros e encaminhou a vítima, 31 anos de idade, com lesões graves, para a UPA 24 Horas. Ele relatou que estava em um bar e quando saiu para ir para casa, foi abordado por dois indivíduos que disseram “passa o dinheiro”. Como ele tentou reagir, acabou agredido com pedradas, pauladas e chutes.

Ainda segundo relatos do solicitante, as agressões apenas cessaram pois passou um veículo no local, os ocupantes desceram e interviram, e a dupla de agressores fugiu tomando rumo ignorado.

No local das agressões os Militares recolheram uma pedra usada pela dupla e uma caixa de som com manchas de sangue da vítima, sendo que o local fica defronte a residência de um dos acusados, 30 anos de idade.

Os pais do segundo acusado de agressão autorizaram a entrada da equipe policial na residência, mas ele não foi encontrado. A mãe dele disse que o filho tem varias passagens por roubo, furto, embriaguez, porte ilegal de arma de fogo, dentre outros, sendo que o filho estaria em regime semi-aberto, e que haviam três dias que não dormia em casa.

O primeiro acusado, detido na Vila São Francisco, teria falado para a esposa da vítima que dá próxima vez ele vai usar a “12”, referindo-se a outros homicídios ocorridos naquele bairro, onde as vítimas foram assassinadas por disparos de arma de fogo calibre 12.

Diante dos fatos, ele foi encaminhado ao 3º Pelotão da PM para confecção do Boletim de Ocorrências, na sequencia foi levado até a UPA para exame de lesão corporal e, por fim, entregue na Polícia Civil de Guaíra.

Redação Portal Guaíra