O Município de Guaíra, via Conselho Tutelar, da Secretaria de Assistência Social, realizou nesta semana uma ação de mobilização para resgate de adolescente guairense desaparecida.

Conforme a conselheira tutelar, Selma Largura, a equipe recebeu uma denúncia, na última segunda-feira (28), acerca do desaparecimento de adolescente de 13 anos. A denúncia foi realizada pela mãe, alegando que a filha havia saído para estudar e não retornado.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Em investigação, a conselheira plantonista, Edilene Capatti, colheu informações de que a jovem estudava no Colégio Estadual Mendes Gonçalves, e poderia ter partido acompanhada do namorado, com sentido ao município de Sapopema/PR.

De imediato, a equipe entrou em contato com o Conselho Tutelar de Sapopema, onde foram atendidos pela conselheira Poliana Souza, que mobilizou a polícia local em busca da adolescente.

Após o contato de diversas autoridades da região, a jovem foi encontrada quando pediu ajuda em um posto de combustível, na cidade de Figueira/PR, cerca de 500 km de distância de Guaíra/PR.

O Conselho Tutelar de Figueira foi acionado, e a conselheira Dioneia Ribeiro contatou o Conselho Tutelar de Guaíra, para informar a localização da jovem.

A conselheira plantonista na ocasião, Selma Largura, prontamente avisou o paradeiro da jovem à sua família, que se deslocou até Figueira para buscá-la. “Foi uma grande emoção esse caso, pois me coloquei no lugar da mãe, que estava muito preocupada em localizar a filha. Confesso que quando recebi a notícia positiva sobre o seu paradeiro, não contive as lágrimas de alegria”, destaca a conselheira Selma.

Segundo a conselheira Edilene, é muito importante enfatizar o trabalho em conjunto realizado pela equipe: “O sucesso neste caso só foi possível graças à soma de forças entre os Conselhos Tutelares de Guaíra, Sapopema e Figueira, e ao apoio das polícias militares locais”.

“A adolescente está bem, graças a Deus. Agora, faremos uma investigação mais profunda e mais detalhada para descobrir como essa jovem se deslocou até Figueira, sem se quer portar seus documentos pessoais”, conclui Selma Largura.

Portal Guaíra com Assessoria