Em exibição neste domingo, 06 de janeiro, às 15h.

Sessão às 15h; domingo (06/01)
Sessão às 15h, domingo (06/01)

Parece que a animação pré-histórica ainda tem muito o que dar. Mantendo o mesmo tom de humor e sem perder o entretenimento dos primeiros filmes, o filme número quatro traz uma grande evolução em questão familiar dos personagens. Manny, que era o ranzinza e solitário, agora está casado e sua filha Amora é adolescente (o que trará muitas preocupações ao pai ciumento e controlador). A família de Sid, que o tinha abandonado, reaparece. Quem ganha um destaque é sua avó, que é meio gagá e por isso rende muitas risadas. Até Diego promete um possível romance pela frente.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Ainda fugindo dos efeitos do fim da Era do Gelo, eles encaram novas aventuras pelo mundo, passando inclusive por um navio pirata comandado por um Macaco tirano. Mas antes que a  confusão toda tenha início, Amora e sua mãe Ellie se separam de Manny, depois de uma briga entre pai e filha. Logo, o filme todo é dividido em duas situações: Manny e o resto do bando, e Ellie, Amora e seu amigo furão Luis.

Em segundo plano há outra questão bem trabalhada, que é a imagem da Amora. Ela representa um esteriótipo bem construído da “garota que abandona tudo por causa de  um garoto”. Mas quando ela chega ao ponto de magoar Luis para estar com o cara de quem gosta, e percebe que não vale tanto a pena, ela lembra de quem realmente é.

É uma produção para toda a família, com um tom cômico obviamente bem leve (trata-se de um filme voltado principalmente para crianças). Bem descontraído, é um filme para esquecer os problemas. Um filme daqueles que fazem rir por horas a fio.

Fonte: Mallú Ferreira