A pedagoga Anna Maria Campos Corado esteve com o primo, o médico Wilker Sabino Campos da Silva, nos últimos momentos antes de ele morrer em um lago da fazenda de ecoturismo Park Santa Branca. Eles tiraram uma foto minutos antes de o primo, de 32 anos, entrar na água para nadar (veja acima).

“Tomamos café da manhã às 9h, depois fomos nas cachoeiras, ele estava feliz”, contou ao g1.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O caso aconteceu na sexta-feira (1º), em Terezópolis de Goiás, no centro do estado. O Park Santa Branca disse que o visitante foi socorrido imediatamente e levado a um hospital da cidade, onde teve a morte constatada. O corpo do médico foi velado e enterrado no dia seguinte, em Goiânia, onde morava.

Anna disse que era a primeira vez dos dois no local, que eles estavam encantados com o espaço e curtindo o dia.

Depois de visitar alguns espaços, eles decidiram ir para o lago da tirolesa. Antes de subirem para fazer a atividade, Wilker disse que iria nadar um pouco porque estava com calor. Enquanto isso, Anna ficou sentada na prainha editando umas fotos no celular, de frente para o lago.

“Vi ele entrando, nadando, falando que estava ótima a água, me chamando. Passou uma meia hora vi que não estava mais aparecendo na água. Achei que tinha ele tinha ido ao banheiro ou algo assim. [Passado mais algum tempo], eu avisei o salva-vidas, que já tirou a roupa, entrou no lago e em poucos minutos disse que o Wilker estava lá no fundo”, contou.

A prima acredita que Wilker teve algum mal súbito enquanto estava na água.

“Ele não se debateu, não gritou, não fez nenhum barulho, nada. Eu teria ouvido, estava de frente para ele”, disse.
Ainda sem acreditar no que aconteceu, Anna contou que os dois eram próximos e se gostavam como irmãos.

“A gente demorava a se encontrar, mas quando se via era só risada, coisa boa. Ele dava o melhor de si em tudo”, lembrou-se.

Investigação
A Polícia Técnico-Científica informou que buscou o corpo de Wilker do hospital e que, inicialmente, não recebeu pedido para periciar o lago onde ele teria morrido. O corpo foi periciado em Anápolis, a 55 km de Goiânia.

O g1 havia solicitado informações da Polícia Civil às 13h41 de sábado (2) sobre o caso e aguarda retorno para saber se há investigação em andamento.

Portal Guaíra com informações do G1