Um casal de idosos foi feito de refém por criminosos durante tentativa de roubo em uma propriedade em rural Arenópolis (GO), nesta semana. Na noite da terça-feira, 24, os bandidos pediram ajuda para consertar um carro e depois anunciaram o assalto. O objetivo era levar 100 cabeças de gado da fazenda.

O Batalhão de Polícia Rural da Polícia Militar de Goiás recebeu informações de movimentação suspeita na propriedade por meio do disque-denúncia, e se deslocou para o local. “Produtores rurais notaram que o gado estava sendo conduzido no período noturno com lanternas. Quem é do meio rural sabe que isso é extremamente atípico”, afirma o tenente-coronel André Luiz de Carvalho, que comanda o batalhão.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

A PM não tinha uma localização precisa da propriedade, por isso foram enviadas quatro equipes para encontrar o local da fazenda.

Já pela manhã do dia seguinte, durante tentativa de abordagem a um veículo suspeito próximo à propriedade, o motorista se recusou a parar e se chocou contra uma das viaturas da polícia. Após a colisão, os criminosos atiraram contra os policiais e houve confronto. Os três suspeitos morreram no local.

Medo no campo
Os policiais seguiram o caminho contrário feito pelos criminosos e encontraram a propriedade rural, onde o casal de idosos, Maria Auxiliadora Costa Magalhães e Lásaro Alves de Magalhães, foi mantido aprisionado em um quarto por 15 horas.

“Eles perguntaram se eu tinha uma chave de roda. Falei que não. Depois disso eles me colocaram para dentro e falaram: ‘Não olha não, senão a bala come’”, disse Magalhães.

Diabética, dona Maria precisou ser internada por dois dias após ter ficado mais de 15 horas sem tomar sua medicação e se alimentar. Apesar do susto, ela já se encontra bem e em casa.

Outros envolvidos
Na fazenda, os policiais encontraram cinco caminhões, que seriam utilizados para transporte do gado. Os motoristas não sabiam que se tratava de um roubo. “Os motoristas dos caminhões estavam de boa-fé. Foram chamados apenas para fazer o transporte”, diz o tenente-coronel Carvalho.

Portal Guaíra com informações do Canal Rural