Uma dona de casa encontrou uma jiboia dentro de um vaso na cozinha de casa em Hidrolândia, na Região Metropolitana de Goiânia. Assustada, Eliete Gomes chamou o marido que, com auxílio de um pedaço de pau, capturou o animal e o devolveu à natureza.

O caso aconteceu na última quinta-feira (23), no Sítio Recreio Triângulo III. Eliete relembrou, com bom humor, o susto que teve quando viu a serpente dentro do vaso de orquídeas que fica próximo à cozinha (veja no vídeo acima).

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Gosto de tomar meu café pela manhã e assistir ao jornal. Quando fui pegar o celular, que estava próximo do balcão da cozinha, ela estava no vaso de orquídea. Eu gritava, e ela levantou a cabeça. Morri de medo”, relatou.

A mulher contou que chamou o marido, o sargento da PM Roberto Teixeira, logo em seguida. No vídeo, gravado por Eliete, é possível ouvir a preocupação da dona de casa, e o marido informa: “É uma jiboia”.

“Ele, com muito cuidado, pegou um pedaço de pau e colocou perto da planta. Ela se enrolou. Ele a deixou próximo à mata”, explicou Eliete.

Ainda segundo a moradora, situações como essa são comuns na região, que fica nas proximidades de uma mata. “Tem muito animal silvestre. Temos uma área de lazer que fica um pouco mais abaixo que sempre aparece cascavel. É necessário tomar cuidado e ficar alerta. Graças a Deus, ninguém se machucou”, contou.

De acordo com o biólogo Edson Abrão, pelo tamanho visto nas imagens, a cobra ainda era filhote, mas não afasta a possibilidade de perigo.

“Ela, provavelmente, estava em busca de abrigo e fugindo do calor. Esses animais são ‘pecilotérmicos’, ou seja, a temperatura do corpo varia de acordo com o ambiente. Geralmente, vasos de orquídeas são mais úmidos, e elas gostam de ambientes úmidos e sombreados”, explicou.

A cobra não é venenosa, mas o biólogo orienta que, ao encontrá-la dentro de casa, é necessário tomar cuidado e evitar tocá-la. “Apesar de ela ser mais calma, não quer dizer que pode manusear o animal. Melhor pedir uma ajuda especializada como um biólogo, bombeiros ou outro órgão ambiental”, recomendou Edson.

Portal Guaíra com informações do G1