O movimento em Ciudad del Este, no Paraguai, está preocupando lojistas e comerciantes. No último mês o movimento caiu intensamente causando prejuízo aos empresários. A crise é efeito do Coronavírus (COVID-19), doença respiratória que iniciou na China e que já se espalha pelo mundo. O Paraguai já confirmou cinco casos. Além disso, o dólar subiu vertiginosamente, também sob o efeito do Coronavírus, além da crise do petróleo.

O repórter Eli Silva, da rádio Cultura, esteve no Paraguai na manhã de quarta-feira (11) e constatou o esvaziamento da cidade e a preocupação dos lojistas. “Estamos bastante preocupados, por que estamos sem movimento desde que começou a surgir o coronavírus, e aumentou o dólar, por conta disso e o povo sumiu” ressaltou a gerente de uma das lojas.
Segundo ela, o preço das mercadorias está muito alto, não compensando para o comprista ir até o Paraguai. “A mercadoria aqui ficou muito cara, tem coisas que estão até mais barata no Brasil do que aqui, o dólar está quase cinco reais” salientou.

O Ministério de Obras Púbicas e Comunicações do Paraguai, anunciou uma licitação para a construção de 200 quilômetros pela rodovia PY 17, na fronteira seca com o Brasil.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

A estrada entre as cidades paraguaias de Pedro Juan Caballero e Ypejhú, batizada de Ruta de la Soberanía custará US$ 220 milhões, através de um empréstimo do Fonplata – Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata.

A pavimentação contempla a região mais violenta do país, passando pelos departamentos de Canindeyú e Amambay, na fronteira com com os estados brasileiros do Mato Grosso do Sul e Paraná. A obra deve contemplar cerca de 150 mil pessoas que vivem naquela região. O empréstimo ainda depende da aprovação do Congresso do Paraguai.

De acordo com o engenheiro Alfredo Sanchez, da Unidade de Projetos Finaciados pela Fonplata no Ministério de Obras, a estrada contará com estações de pesagem e pedágio. “Através destas obras de infraestrutura, os serviços públicos ficarão mais acessíveis para para essas comunidades e o Estado poderá cumprir sua obrigação de marcar presença na fronteira”, disse.

Portal Guaíra com informações do ABC Color/Rádio Cultura Foz