(Foto: Wanderson Petrini)

O casal de turistas brasileiros, Matheus Mangiocca e Júlia Venancio, de 22 e 21 anos, foi sequestrado por policiais na colônia Torín, no Paraguai, na segunda-feira (18), segundo a Polícia Civil.

Conforme as vítimas, eles foram socorridos após a jovem tentar sacar o dinheiro exigido pelos suspeitos em um banco de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, cidade que faz fronteira com o país.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Quatro suspeitos de envolvimento no sequestro foram presos no Paraguai e estão sendo investigados pela promotora Estela Mary Ramírez, segundo a Polícia Civil.

As vítimas, que moram em São Paulo (SP), viajavam de carro quando foram abordadas pelos policiais. Segundo a polícia, os agentes exigiram R$ 25 mil para liberarem os dois, pois caso Júlia não sacasse o dinheiro, matariam o namorado dela.

O Ministério do Interior do Paraguai informou ao G1 que os envolvidos serão penalizados pela Justiça, e que a Polícia Nacional do país está investigando o sequestro. Conforme o ministro, Euclides Acevedo Candia, o caso é “vergonhoso”.

De acordo com o investigador Wanderson Pedrini, de Foz do Iguaçu, a Polícia Civil foi chamada para ajudar após o funcionário do banco estranhar a solicitação da alta quantia e perceber que a jovem estava nervosa.

Após o resgate, o investigador Petrini acompanhou os jovens durante os procedimentos cabíveis na delegacia paraguaia.

“Se constatou a situação do cárcere privado mediante extorsão no Paraguai. Em virtude também de serem brasileiros, através dos contatos que temos aqui na região de fronteira, foi possível ter esse desfecho.”

Júlia e Matheus informaram ao G1 que chegaram em São Paulo (SP) na noite desta quarta-feira (20).

O caso
De acordo com o boletim de ocorrência registrado no Paraguai, o casal havia saído de Assunção, na capital, e tinha como destino Foz do Iguaçu.

A cerca de 100 quilômetros de Cidade do Leste, que faz fronteira com o Brasil, Matheus foi abordado pelos policiais em Torin, quando apresentou a autorização que o permitia dirigir pelo país.

O documento era digital e não foi aceito, por isso, os agentes suspeitos alegaram que o casal precisava pagar R$ 50 mil para ser liberado, conforme o boletim.

Sem o dinheiro disponível no momento, o casal relatou ter pedido a quantia para os familiares por Whatsapp. Em seguida, conforme os jovens, os celulares deles foram tomados e dormiram no Paraguai sob a guarda dos policiais.

Na terça-feira (19), o casal foi resgatado pela polícia após a jovem ser levada até o banco, em Foz do Iguaçu, em um taxi.

“O pessoal de segurança do banco acabou percebendo o desespero dessa vítima e fez contato conosco. A partir da atitude e boa percepção do pessoal de segurança, do banco Santander de Foz do Iguaçu, foi possível dar esse desfecho também”, disse o investigador da Polícia Civil.

Conforme a Polícia Nacional do Paraguai, todos os policiais suspeitos foram afastados dos cargos e transferidos para Assunção.

O governo informou ainda que a procuradora do Ministério Público paraguaio, Estela Mary Ramírez, disse que suspeitos estão sujeitos a acusação de privação ilegal de liberdade extorsão.

Portal Guaíra com informações do G1