Presidente Jair Bolsonaro participou do lançamento da segunda ponte entre o Brasil e o Paraguai em Foz do Iguaçu, nesta sexta-feira (10) — Foto: Reprodução/RPC

ad

O presidente Jair Bolsonaro, e o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, se encontraram por volta das 13h30 de sexta-feira (10), em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, para a assinar a autorização para o início das obras da segunda ponte que vai ligar os dois países. O contrato prevê que a obra deve durar três anos.

Atualmente, a única ligação terrestre entre os dois países é feita através da Ponte Internacional da Amizade, entre Foz e Ciudad del Este. O local tem congestionamentos constantes de veículos e compristas.

A estrutura vai custar R$ 462.995.564, 22, e as obras devem começar a partir da assinatura da ordem de serviço. O valor será bancado pela Itaipu Binacional e, segundo a empresa, sem afetar a tarifa da energia elétrica produzida pela binacional.

A execução do projeto será desenvolvida pelo Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit) através de um convênio com o governo do Paraná.

“Como é bom ter países vizinhos e amigos como esse do estado do Paraguai. Juntos somamos força, juntos proporcionaremos dias melhores aos nossos povos e para nós como políticos. Não existe prêmio maior do que a satisfação do dever cumprido”, disse Bolsonaro sobre a construção da ponte.

Também estiveram presentes no evento o governador do Paraná Ratinho Júnior (PSD), o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna e ministros dos dois países. Além deles, o governador de Alto Paraná (estado paraguaio vizinho) e o diretor paraguaio.

O general Joaquim Silva e Luna, diretor-geral brasileiro de Itaipu celebrou o acordo. “O ato dos dois presidentes foi um pontapé inicial da ponte. Na verdade, a realização de um sonho, como já foi dito há 32 anos atrás e já foi colocado agora em execução a partir de uma decisão política de dois presidentes”, disse.

Luna disse que após a assinatura para o início das obras, o consórcio Construbase-Cidade-Paulitec poderá começar a construção imediatamente.

De Foz, o presidente seguiu para Curitiba para participar de um evento que marcará o início das atividades do Centro de Inteligência de Segurança Pública da Região Sul (CIISP-Sul).

Como vai funcionar
De acordo com a Itaipu Binacional, a nova ponte será utilizada para o tráfego de caminhões e será conectada à Aduana da Argentina. No lado brasileiro, haverá uma ligação direta com a BR-277, sem que os veículos pesados precisem utilizar como rota o Centro de Foz do Iguaçu, como acontece atualmente.

Ainda conforme a Itaipu, a ponte também vai integrar, além do Brasil e do Paraguai, outros países da região como Argentina, Chile e Bolívia. Esses países, segundo a Itaipu, terão acesso direto aos mercados brasileiros.

Na contrapartida, o Brasil terá também ao oceano pacífico para exportação de grãos à China. A expectativa é de que isso reduza, especialmente, o custo dos fretes.

Portal Guaíra com informações do G1


ad