ad

fozCom uma dívida em torno de R$ 10 milhões de infrações de trânsito cometidas por motoristas estrangeiros que trafegam pelas ruas de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná, o Instituto de Trânsportes e Trânsito (Foztrans) da cidade decidiu cobrar o débito. A estratégia usada foi realizar blitzes em avenidas que ficam na saída do Brasil para os países do Paraguai e da Argentina.

Somente na quinta-feira (17), de acordo com o Foztrans, 81 motoristas foram parados e a metade tinha multas pendentes. O boleto com o valor é emitido na hora para o motorista pagar. “Damos três dias úteis para ele ir ao banco pagar. (…) Se em uma próxima blitz ele for pego, já teve ciência e não pagou, ele perde os 20% que é dado na primeria impreesão e o veículo é retido”, explicou o superintendente do Foztrans Paulo Tremarin.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

foz2As multas poderiam ser cobradas nas alfândegas no retorno aos países de origem. No entanto, não existe um sistema que realize esse tipo de cobrança.

De acordo com o Foztrans, entre as infrações mais cometidas estão estacionamento em local proibido, avanço de sinal vermelho,  velocidae acima do limite e o não pagamento do estacionamento rotativo. Além disso, ao receberem a notificação, alguns estrangeiros desrespeitam. “Eles rasgam a multa na frente da moça. Então, a gente tem esse desrespeito também”, afirmou o superintendente.

O Instituto de Trânsito de Foz do Iguaçu afirma que as blitzes serão constantes e em lugares alternados. O objetivo é tratar todos os motoristas infratores da mesma forma, sendo estrangeiros ou brasileiros. O dinheiro arrecadado é aplicado em todo tipo de sinalização e campanhas de conscientização na cidade.

Fonte: G1
Fotos: Reprodução/RPC TV