O democrata Joe Biden foi eleito o novo presidente dos Estados Unidos neste sábado 07, após conquistar os delegados da Filadélfia.

O ex-vice-presidente conquistou 50% dos votos e alcançou 273 delegados. Com isso, sai derrotado o atual presidente republicano Donald Trump, que buscava a reeleição.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Como nos EUA não há uma Justiça Eleitoral, cabe geralmente à mídia anunciar o resultado da eleição.

Nos últimos dias, Trump e sua campanha entraram com processos nos estados da Geórgia e Filadélfia por não aceitarem a derrota. O republicano chegou a pedir que a Justiça determinasse que alguns estados parassem a contagem de votos. Antes das eleições, ele já falava em fraude eleitoral.

O caso pode parar na Suprema Corte do país. Prevendo um recurso judicial, o presidente acelerou a nomeação da juíza conservadora Amy Coney Barrett.

Biden, por outro lado, pediu ‘calma’ aos seus eleitores enquanto ressaltava o pedido de que todos os votos fossem contados. Com ele, elege-se enquanto vice-presidente a senadora da Califórnia Kamala Harris, a primeira mulher a ocupar o cargo.

Este ano houve uma demora maior na contagem dos votos por conta da pandemia do novo coronavírus, que aumentou os votos via correios.

O trabalho é longo: a assinatura de cada votante deve ser comparada à registrada em sua carteira de eleitor. O processo também varia segundo cada estado.

A Flórida começou a contagem antes do 3 de novembro, enquanto outros estados só a iniciaram após o final da votação presencial.

Algumas lideranças conservadoras, tentam acalmar os ânimos. Recentemente, Mitch McConnell, chefe da maioria no Senado, tuitou:

“Haverá uma transição em ordem como todos os quatro anos desde 1792”. Mas, diante de uma posição clara de ataque por parte do presidente, a dúvida permanece.

As informação são do Carta Capital