As aulas presenciais voltarão em setembro no Paraná, segundo o diretor-geral da Secretaria de Estado da Educação (Seed), Gláucio Dias. A afirmação foi feita em entrevista à RPC, nesta quinta-feira (30). O ensino presencial está suspenso desde 20 de março no estado.

“A volta será no mês de setembro, ainda não há definição sobre início ou fim de setembro. Isso será definido nos próximos 15 dias”, afirmou o diretor-geral.
Segundo ele, mesmo assim é possível que o desenvolvimento da pandemia altere a retomada. Dias afirmou também que as aulas poderão voltar no estado todo ou em parte das regiões.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O protocolo de volta às aulas no Paraná, obtido com exclusividade pela RPC, prevê a divisão dos alunos em grupos que se revezarão semanalmente entre aulas online e presenciais.

O retorno será feito de forma gradual, primeiro com os alunos do 3º ano do ensino médio e do 9º ano do fundamental.

“É mais fácil de estabelecer um sistema de organização completamente diferente a partir dos alunos que têm mais maturidade para entender o contexto que estamos vivendo”, explicou o diretor-geral da Seed.
O ensino híbrido valerá para alunos a partir do 6º ano do ensino fundamental. Mesmo assim, os responsáveis poderão mandar o estudante para a escola ou não. Nas redes municipal, até o 5º ano do ensino fundamental, e particular o método será facultativo.

Ou seja, as instituições poderão optar por ficar somente no ensino remoto, sem as aulas presenciais, conforme o comitê estadual que elaborou o protocolo. Porém, as regras para ensino presencial precisarão ser respeitadas.

O grupo, que foi criado em junho para discutir o retorno das atividades presenciais nas escolas, é formado por representantes de escolas públicas e privadas, Ministério Público, professores, pais e alunos.

Na rede estadual, os alunos têm aulas remotas desde abril. No início de julho, o governador Ratinho Junior (PSD) afirmou que dificilmente o retorno ocorreria antes de setembro.

O que diz o protocolo?

  • Os estudantes serão divididos em grupos, que farão revezamento permanecendo por uma semana em aulas presenciais e por uma semana em aulas remotas
  • As aulas remotas permanecem diariamente e as aulas presenciais ocorrerão de forma escalonada
  • O número máximo de pessoas em cada sala deverá respeitar o distanciamento mínimo de 1,5 m
  • As instituições de ensino deverão organizar escalas para que todos as turmas sejam atendidas presencialmente pelo menos uma vez na semana
  • Os horários de entrada e saída, e intervalo/recreio devem ser redefinidos e intercalados, de modo a evitar a aglomeração de pessoas e a circulação simultânea de grande número de alunos, nas áreas comuns e nos arredores do estabelecimento
  • Os horários do recreio e parque devem ser organizados de forma escalonada, necessitando de limpeza a cada troca de turno e sempre que possível, após os intervalos
  • Escalonar o horário de ida aos banheiros
  • Sugere-se que estudantes e professores tragam lanche de casa e comam em suas próprias mesas. No caso dos estudantes, receberem a merenda da escola, a distribuição deverá ocorrer de forma escalonada, prevendo limpeza prévia do local e respeitando o distanciamento mínimo recomendado para que não haja aglomeração no ambiente
  • As Instituições de ensino deverão limitar o acesso às suas dependências somente às pessoas indispensáveis a seu funcionamento que não apresentem fatores de risco e de uso de máscara
  • O atendimento ao público será feito de forma online ou via telefone. Caso seja necessário atendimento presencial, este deverá ser previamente agendado

O retorno deverá ocorrer de maneira escalonada, por região do estado, conforme desenvolvimento da pandemia, respeitando a decisão da Secretaria de Estado da Saúde, na seguinte ordem:

  • Estudantes do 3º ano do ensino médio e 9º ano do ensino fundamental
  • Estudantes do ensino médio
  • Estudantes do ensino fundamental I e II
  • Estudantes da Educação Infantil
  • Retorno dos estudantes menores de dois anos não ocorrerá, devido à dificuldade de cumprimento das normas. Instituições privadas deverão elaborar um plano específico para sua rede
  • Protocolo para retorno das aulas presenciais poderá haver fechamento das instituições de ensino por regiões, conforme desenvolvimento da pandemia e respeitando a decisão da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa)