O que era brincadeira na infância se tornou o maior sonho da vida de Victoria Elias Gomes do Vale, de 23 anos, estudante de Curitiba. Com um estetoscópio de brinquedo, ela já ensaiava os gestos que faria mais adiante no curso de medicina.

Victoria conta que já teve sua vida “salva” quando, aos 12 anos, foi diagnosticada com depressão, e uma médica psiquiatra a fez ver o mundo de outra forma. Encantada pelo que a profissão pode fazer na vida das pessoas, ela optou por se tornar médica.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Porém, com a perda do emprego do pai e outras dívidas acumuladas com a avó doente, Victoria precisou trancar o curso no 9º período, faltando apenas um ano e meio para levantar o diploma de médica. Além disso, a família também acabou perdendo a casa para o banco.

“Nesse tempo, duas pessoas me aconselharam a fazer uma vaquinha para tentar voltar a estudar, confesso que relutei, mas fiz. Me assustei, apareceu gente de todos os cantos para ajudar. Não é simplesmente: ‘meu pai pagou minha faculdade’, é todo mundo. Quero muito retribuir tudo isso com amor à profissão”, disse ela.
Victoria lançou a campanha na internet em 21 de setembro, com a meta de R$ 180 mil. Em dez dias, ela já havia arrecadado mais de R$ 106 mil, passando de 900 apoiadores.

Mesmo que atinja a meta, ela não vai conseguir cobrir todos os custos do restante do curso, já que o valor de cada mensalidade gira em torno de R$ 8,5 mil.

Porém, pelo menos ela vai conseguir quitar a dívida, de R$ 71 mil, e voltar aos corredores da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) para continuar sua trajetória.

“A maneira como meu sonho está sendo realizado é mais bonita ainda do que seria sem as dificuldades. É uma história que eu contar para sempre. Várias corações fazendo voltar a pulsar o meu. É incrível. Eu espero poder ajudar muito as pessoas no futuro. Eu nunca fiquei tão feliz na minha vida”, comentou.

‘Perdi dois amores em uma semana’
Nascida em Canoinhas (SC), Victoria se mudou para a capital do Paraná ainda criança. A avó Erica Scheur que sempre foi sua maior referência na vida acabou morrendo, aos 72 anos, em 18 de agosto do ano passado, seis dias antes do seu aniversário.

“Eu tranquei a faculdade no dia 20 de agosto, dois dias depois que perdemos ela. Foi pesadíssimo. Eu perdi dois amores em uma semana. A gente tinha uma relação muito especial. Um exame do coração descobriu que estava com a função cardíaca muito diminuída, e descobrimos que ela tinha um aneurisma no ventrículo. Precisou ser operada, a cirurgia deu tudo certo, mas depois ela evoluiu com trombose medular e perdeu os movimentos das pernas”, relatou Victoria.

Conforme a estudante, a família “gastou o que não tinha” para adaptar a casa para o retorno da avó, mas não deu tempo. Dona Erica não voltou mais para casa.

“Foi um acúmulo de coisas e gastos que fez com que, mesmo em meio a dor, a gente tivesse que tomar outra decisão: a de trancar meu curso de medicina. Doeu demais. Chorei a semana inteira. É difícil adiar, mesmo não querendo pensar em desistir”, disse ela.

Futura psiquiatra
Grata por tudo o que uma psiquiatra fez por ela durante a depressão ainda na adolescência, Victoria quer fazer a mesma especialização.

“Eu tinha dificuldade de aceitação e medo da rejeição. Desde pequena. Sentia que eu não pertencia em nenhum lugar. A minha doutora me ajudou lá trás e a medicina agora. Na minha turma todo mundo foi bacana, me senti especial. Comecei a me entender e ver que o caminho sempre me levou para estar exatamente ali”.
Em um momento em que os profissionais da saúde são ainda mais importantes no mundo, Victoria espera que em breve faça parte desse time.

“Me desesperei um pouquinho porque eu achei que não iria conseguir voltar tão cedo para a faculdade. Eu não saberia o que eu teria que fazer, começar tudo de novo. Eu me via quase médica, mas era não médica, e isso me deixava muito mal. Não tenho como agradecer a todo mundo que está ajudando. Essa solidariedade deu ainda mais motivação e fé que vou conseguir, e todos vão se orgulhar”, completou.

Portal Guaíra com informações do G1