Dados do Ministério do Trabalho e Previdência apontam que o Paraná colocou 118.839 trabalhadores em empregos formais pela Rede Sine estadual (Sistema Nacional de Emprego) em 2022, sendo responsável por 33,71%, ou um a cada três, de todos os 352.518 trabalhadores encaminhados via agências em todo o País. Segundo colocado, o Ceará registrou 48.107 colocados, enquanto São Paulo encerrou o ano com 34.566 empregados via Sine. No ranking nacional, o Paraná alcançou um resultado de 147,03% maior do que o Ceará e 243,80% acima de São Paulo.

No relatório completo, os demais estados do Sul aparecem na quarta (Rio Grande do Sul, com 24.294) e nona (Santa Catarina, 8.602) colocações. O Paraná encaminhou 100 mil pessoas a mais que Santa Catarina. Fecham o estudo Rio Grande do Norte (217), Amapá (99) e Acre (66).

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O Paraná possui a maior Rede Sine do Brasil, com 216 Agências do Trabalhador e 83 Postos Avançados. Em dezembro, o dado mensal mais recente, a rede registrou 4.557 paranaenses colocados no mercado de trabalho formal, tendo como referência a tabela fornecida em 21 de dezembro de 2022 pelo Ministério do Trabalho e Previdência. O número é superior ao registro de todo o ano do Rio de Janeiro (4.117).

“O Estado ocupa a liderança absoluta no ranking de trabalhadores colocados no mercado formal, fruto de ações focadas na qualificação profissional e geração de renda através de programas que são referências para o País”, destaca Mauro Moraes, secretário de Trabalho, Qualificação e Renda. “O Programa Emprega Mais, por exemplo, é um dos responsáveis pelo desempenho do Paraná no ranking nacional ao levar para os municípios do Interior, através da agência itinerante (ônibus do trabalho), oferta de emprego para quem precisa”.

Moraes destaca ainda o trabalho dos servidores públicos estaduais e municipais que atuam nas Agências do Trabalhador em todas as regiões do Paraná e a parceria com a Escola de Gestão do Paraná (EGP), que qualifica os profissionais para a intermediação de mão de obra, Seguro-Desemprego e para a execução de projetos como o Recomeça Paraná, que fomenta o empreendedorismo. “Essas ações são fundamentais para ampliar as ofertas de emprego e também para preparar trabalhadores para essas vagas”, comenta.

Nas Agências do Trabalhador, além da possibilidade de inclusão formal no mercado de trabalho, os paranaenses também podem atualizar os currículos, deixar os nomes em bancos de reserva de vagas e adquirirem microcrédito, numa parceria com a Fomento Paraná.

CAGED – Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Paraná tem saldo de 153.693 novos empregos criados de janeiro a novembro (último dado disponível) de 2022. Foram 1.627.912 contratações (onde se encaixam as intermediações das Agências do Trabalhador) e 1.474.219 demissões. Dos 399 municípios paranaenses, 334 tiveram saldo positivo na geração de empregos entre janeiro e novembro de 2022, o que equivale a 83,7% do total, ou oito em cada dez.

Portal Guaíra com informações da AEN