O ex-secretário da Segurança Pública do Distrito Federal Anderson Torres deve prestar novo depoimento à Polícia Federal (PF) nesta segunda-feira (23). Na última quarta-feira (18), Torres se manteve em silêncio em seu primeiro depoimento à PF. Ele segue preso no 4º Batalhão da Polícia Militar do DF.

Para o novo depoimento, os advogados de Torres teriam imposto uma condição: que tivessem acesso integral aos autos do processo. Segundo a analista de política da CNN Thais Arbex, a maioria dos autos está públicos.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Torres estaria preparado para falar do conteúdo de seu celular e as razões para não ter trazido o aparelho na viagem dos Estados Unidos de volta ao Brasil, conforme apurado pela analista de política da CNN Basília Rodrigues.

Desde a semana passada, a defesa de Torres rejeita a ideia do ex-secretário realizar uma delação premiada. “Não há a menor possibilidade de delação premiada pelo fato de que não há o que ser delatado”, afirmou o advogado Rodrigo Roca.

Torres teria dito a interlocutores antes de ser preso descartar qualquer possibilidade de acusar o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e outros integrantes do seu governo.

Como delegado da PF, Torres conta com prisão especial. No lugar de cela, o espaço usado por ele é chamado de sala de “Estado Maior”, que tem condições e segurança superiores àquelas encontradas no sistema penitenciário comum.

Para que não ocorram privilégios fora daqueles previstos em lei, o local é fiscalizado pelo Ministério Público (MP) e Vara de Execuções Penais.

Plano de segurança para dia 8 foi aprovado

Em depoimento à PF na quarta-feira (18), Fernando Oliveira, ex-secretário-executivo da Segurança Pública do DF, afirmou que, no dia 6 de outubro, Anderson Torres aprovou o plano de ações integradas que embasou o policiamento no dia 8 de janeiro.

O “ex-número 2” da Segurança Pública do DF disse que Torres viajou para os Estados Unidos e nem sequer o apresentou para o governador afastado Ibaneis Rocha (MDB) ou para os comandantes das polícias com o secretário em exercício.

O celular do ex-secretário-executivo também será periciado.

As informações são da CNN Brasil