ad

Previstas em estatuto, as assembleias são um dos principais diferenciais do cooperativismo de crédito, pois são a oportunidade que os associados têm para decidirem o futuro da cooperativa de crédito da qual fazem parte, já que são literalmente donos do negócio, diferentemente do que acontece no sistema financeiro convencional. No Sicredi, instituição com atuação em 22 estados brasileiros e no Distrito Federal, os cerca de 1,5 mil encontros em 2019, realizados entre os meses de janeiro e abril, reuniram mais de 500 mil pessoas.

Durante as assembleias ocorre, por exemplo, a votação que define o destino dos resultados do exercício anterior. O resultado líquido do Sicredi foi de R$ 2,7 bilhões em 2018 e, desse total, parte do recurso foi destinada ao fundo de reserva que visa garantir a solidez e saúde financeira do Sistema. Outra parte foi destinada ao Fundo de Assistência Técnica Educacional e Social dos associados, seus familiares e colaboradores para o desenvolvimento de programas sociais e educacionais executados pelas cooperativas e coordenados pela Fundação Sicredi, braço da instituição no terceiro setor.

O saldo restante, R$ 664 milhões, ficou à disposição da assembleia geral para que os associados definissem a sua utilização. O volume, 45% superior aos R$ 456 milhões em 2018, foi a maior distribuição de resultados registrada na história da instituição, e ficou à disposição da assembleia geral para que os associados definissem a sua utilização.

A distribuição desse valor é definida proporcionalmente ao uso dos produtos e serviços pelos associados junto à sua Cooperativa. Na maioria dos casos, os associados optam por destinar os recursos para a sua conta corrente ou para depósitos em capital social, aumentando assim o saldo da sua cota capital na Cooperativa e possibilitando que ela tenha maior capacidade de crescimento e de atendimento às novas demandas.

Decisões igualitárias
Além de discutir a forma como os resultados serão distribuídos, as assembleias são o momento máximo de participação dos associados nas decisões da sua cooperativa de crédito, em que o seu voto contribui para escolher, por exemplo, as suas lideranças e avaliar a prestação de contas. “O cooperativismo de crédito se destaca no mercado pela sua forma democrática e participativa de conduzir o negócio e as assembleias são um dos modos de dar voz aos associados e evidenciar a transparência, elemento-chave neste sistema financeiro”, explica Romeo Balzan, superintendente da Fundação Sicredi.

Segundo Balzan, a gestão que valoriza a participação igualitária no Sicredi também tem contribuído com o crescimento da instituição e atraído cada vez mais associados para as cooperativas de crédito filiadas ao Sistema – em janeiro deste ano, o Sicredi ultrapassou a marca dos 4 milhões de associados. No Brasil, em 2018, segundo o Banco Central do Brasil, quase 1 milhão de pessoas aderiram a este modelo financeiro.

Assembleias e distribuição de resultados na Sicredi Aliança PR/SP
Na Sicredi Aliança PR/SP as assembleias aconteceram entre 18 de fevereiro e 18 de março, nos 17 municípios de atuação, reunindo 5.334 pessoas entre associados e convidados. Durante a Assembleia Geral Ordinária, no dia 22 de março, foi aprovada a distribuição em cota capital de R$6,9 milhões em resultados.

“Através das assembleias colocamos em prática os valores da democracia e da transparência. É o momento máximo da participação do associado na sua cooperativa. Apresentamos os demonstrativos financeiros e as ações que desenvolvemos nas cidades onde estamos inseridos, seguindo sempre o nosso propósito que é agregar renda e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Quanto mais o associado participa, mais ele recebe dos nossos resultados. Este também é um diferencial que oferecemos. Além de confiar a sua vida financeira a uma instituição cooperativa que lhe garante segurança e solidez, é possível ter esse retorno”, considerou o Presidente do Conselho de Administração da Sicredi Aliança PR/SP, Adolfo Rudolfo Freitag.

Portal Guaíra via Assessoria


ad