A Justiça bloqueou mais de R$ 164 milhões, em bens, dos deputados estaduais Alexandre Curi e Nelson Justus e de ex-diretores da Assembleia Legislativa do Paraná.

Isso porque eles são acusados de contratar, entre 2000 e 2010, funcionários fantasmas.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Todos os contratados pertencem ou têm relação com duas famílias: a Guedes e a Tavares.

Estas contratações irregulares tinham o objetivo de desviar dinheiro dos cofres do legislativo estadual.

Juntos, os ex-diretores Cláudio Marques, José Ary Nassif, o então presidente da Casa Nelson Justos e o ex-primeiro secretário Alexandre Curi foram responsáveis por um desvio superior a R$ 17 milhões.

Deputados, Alexandre Curi e Nelson Justus
Deputados, Alexandre Curi e Nelson Justus

O bloqueio dos bens foi definido, justamente, para garantir que os envolvidos devolvam o montante desviado.

O esquema era chefiado pelo ex-diretor geral da Alep Abib Miguel.

Esta liderança foi confirmada por integrantes das famílias Guedes e Tavares, que se intitularam agentes políticos de Abib Miguel, e ajudaram nas investigações.

O deputado Alexandre Curi disse que vai provar a inocência dele na Justiça.

Nelson Justus informou que não vai se pronunciar sobre a decisão.

Já o advogado que defende o ex-diretor Cláudio Marques, afirmou que vai recorrer.

O advogado do ex-diretor-geral Abib Miguel disse que o cliente dele não fala sobre o caso e, por fim, o também ex-diretor José Ary Nassif não foi localizado para falar sobre o assunto.

Fonte: G1