A velocidade dos julgamentos dos processos ligados à Operação Lava Jato já não seguem com a mesma celeridade de antes. Esta é a constatação feita por advogados, segundo apuração do portal de notícias Uol, divulgada neste sábado, 14. A redução na velocidade dos trabalhos foi apontada após a saída do então juiz federal Sérgio Moro para o cargo de Ministro da Justiça.

Quem ficou no lugar de Moro, como titular da 13ª Vara de Curitiba, onde correm os processos da Lava Jato, foi Luiz Antônio Bonat. Para os advogados essa redução na velocidade se deve a necessidade de Bonat se inteirar sobre os processos em andamento, por isso, teria ocorrido uma desaceleração nas decisões da operação.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Desde que assumiu a operação, o novo juiz da Lava Jato só julgou um processo. Condenou nove réus denunciados em junho de 2018 pelo MPF-PR.

Sob Moro, de 2014 a novembro de 2018, 45 ações penais da operação foram julgadas no Paraná. Em média, elas levaram um pouco mais de 11 meses e meio desde que a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) fosse aceita pela Justiça até que uma condenação ou absolvição fosse definida na 1ª instância. Esse número leva em conta ações penais e processos desmembrados.

Segundo os últimos dados da Justiça Federal, divulgados na útlima terça-feira, 10, a Lava Jato tem atualmente 47 ações penais e desmembradas em tramitação na mesma vara em que Moro trabalhou.

Bonat assumiu a Lava Jato em março deste ano.

Portal Guaíra com informações do Bem Paraná