A mãe de Ana Paula Souza, de 28 anos, assassinada com um tiro no rosto, de uma arma calibre 12 milímetros, em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, sonhou que a filha seria morta e pediu que ela não saísse de casa naquele dia. O crime ocorreu no último domingo (6).

De acordo com a mulher, que prefere não se identificar por medo, ela foi alertada por Deus de que a filha corria perigo. No entanto, a jovem não deu atenção ao aviso e acabou perdendo a vida a poucos metros da residência em que vivia com a família.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Eu falei: ‘Só tem uma coisa que eu vou te falar, filha. Eu não quero que você saia com ele pelo o que Deus me mostrou. Ele apareceu em um sonho e falou para mim assim; ‘Fala para a sua filha preparar o terreno dela’. Então, eu falei para ela: ‘Vai acontecer algo com você não saia com ele”, contou a mãe.

Ana Paula havia acabado de entrar no carro do namorado quando um Sandero Prata se aproximou do veículo e efetuou vários disparos de arma de fogo. O homem também foi ferido, mas foi socorrido e encaminhado para o hospital sem risco de morte.

Para a polícia, a jovem foi morta durante um ato de vingança contra o seu companheiro. “Ela estava na hora errada, no local errado, juntamente com esse elemento que já tem antecedente criminal por tráfico de drogas”, disse o delegado Paulo Renato Caldas.

A equipe da RICtv Curitiba apurou que o rapaz de 22 anos já foi baleado em janeiro de 2021, no bairro Cristo Rei, em Curitiba. Segundo o boletim de ocorrência, registrado na época, o autor dos disparos teria sido seu ex-sogro. À polícia, a jovem relatou que o ex-namorado não aceitava o fim do relacionamento, que costumava persegui-la, afirmar que os dois ainda estavam juntos e ameaçá-la junto com sua família de morte.

“Esse elemento já tinha um passado de agressões a mulheres e o parente de uma delas já havia atirado contra ele e o jurado de morte. Então, uma linha provável de investigação seria essa vingança em andamento de um episódio que ocorreu anteriormente”, completou o delegado.

A mãe de Ana Paula explica que a família da garota nunca aprovou o relacionamento com o rapaz. Em 2015, os dois já haviam namorado por um ano e terminaram porque ele seria agressivo. Foi só nos últimos dias que eles voltaram a se relacionar.

No domingo em que foi assassinada, a vítima chegou do trabalho, tomou banho, ficou esperando o companheiro buscá-la em casa. Logo depois, a mãe ouviu os disparos e foi informada de que a filha havia sido baleada. Ana Paula chegou a passar por uma cirurgia, mas não resistiu e morreu na segunda-feira (7). Ela deixou uma filha de 12 anos.

“Acabou com o rosto, uma arte da massa encefálica da minha filha foi tirada. Se ela escapasse, ela ia vegetar. Quando dá crise em mim, minha neta me abraça, quando dá crise nela, eu abraço ela”, finalizou a mãe da vítima.

Em uma mensagem enviada para a sogra, o namorado de Ana Paula pediu perdão pelo o que aconteceu. Veja:
“Eu sei que a senhora nunca vai me perdoar, mas eu imploro seu perdão, eu nunca ia imaginar uma coisa dessas. Se eu soubesse, eu tinha me afastado dela. Eu amo sua filha. Eu não sinto mais vontade de viver sem ela. Meu Deus, eu não acredito que está acontecendo tudo isso comigo. Porque Deus não me levou e poupou ela disso? Me ajude a entender. Essa é minha revolta. Mil vezes eu do que ela.”

O caso é investigado pela Polícia Civil.

Portal Guaíra com informações da Ric TV