Equipes do Exército, Marinha e Aeronáutica realizam desde às 6h de ontem (18) a sétima etapa da Operação Ágata nos 16,8 mil quilômetros de fronteira terrestre do Brasil com 10 países sul-americanos. A ação visa combater crimes como narcotráfico, contrabando e descaminho, tráfico de armas e munições, crimes ambientais, contrabando de veículos, imigração ilegal, problemas indígenas e garimpo.

Aproximadamente 25 mil oficiais contam com o apoio de agentes das polícias federal, rodoviária federal, militar e de agências governamentais em todo o Brasil. A operação ocorre às vésperas da Copa da Confederações, que começa em 15 de junho.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

operação-ágata

No Paraná, cerca de três mil oficiais atuam em bases de comando montadas na Ponte Internacional da Amizade, em Foz do Iguaçu, e em regiões de pedágio em Toledo, Palotina e Céu Azul. Até as 9h, não havia um balanço de prisões e apreensões.

As principais ações referem-se a postos de bloqueio e controle de estradas, patrulhamentos, intensificação de fiscalização de produtos controlados, atividades de inteligência e realização de Ações Cívico-Sociais (ACISO), que consistem em levar o atendimento médico, odontológico e hospitalar aos locais onde concentram famílias carentes.

Em quase dois anos, o Ministério da Defesa, por meio do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), já realizou seis edições da Operação Ágata. No Paraná, a última etapa realizada foi em agosto de 2012.

Os outros estados de fronteira onde estão sendo realizadas as operações são Amapá, Pará, Roraima, Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os países vizinhos são Guiana Francesa, Guiana, Suriname, Venezuela, Colômbia, Bolívia, Peru, Paraguai, Argentina e Uruguai.

Fonte: G1