A Defesa Civil de Santa Catarina confirmou, no sábado (14), a passagem de um tornado em municípios do Sul catarinense na sexta-feira (13). Estragos incluem destelhamentos, quedas de árvores, danos em ginásio e tombamento de um caminhão (veja abaixo).

É preciso que a nuvem funil toque o solo para que seja considerada um tornado. E foi isso a investigação do órgão, que usou radares meteorológicos, constatou entre Jaguaruna e Sangão.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

De acordo com nota da Defesa Civil, o radar meteorológico de Lontras verificou velocidades de 100 km/h na região onde o fenômeno foi registrado. O valor, no entanto, pode ter sido maior.

O tornado esteve associado a uma ‘supercélula’, nuvem de tempestade severa que se desloca em rotação. No Sul do estado, ela causou estragos como alagamentos, destelhamentos e quedas de árvores. Um caminhão também tombou com a força do vento em Sangão.

Estragos
Em Sangão, o bairro mais atingido foi o Morro do Meio, conforme a Defesa Civil municipal.

“Tivemos, em média, de 15 a 20 residências com destelhamento parcial e tivemos a perda total de um ginásio de esportes municipal”, resumiu Anderson de Carvalho Nandi, da Defesa Civil de Sangão.

A delegacia de polícia de Jaguaruna teve danos na estrutura por conta da forte ventania e chuva. A placa do local caiu. Os ventos na região chegaram a 70 km/h, conforme a Defesa Civil.

O Radar Meteorológico de Lontras, no Vale do Itajaí, registrou precipitação acima de 120 mm/h nas duas cidades. Nesses municípios, a média de chuva para todo o mês de janeiro é de até 130 milímetros, segundo a Epagri/Ciram, órgão que monitora as condições meteorológicas do estado.

Portal Guaíra com informações do G1