Setembro é um mês que gera grande expectativa na maioria dos produtores rurais do Brasil. É o período que marca o retorno das chuvas e o início do plantio da safra de verão 2021/2022. No ano passado, por conta do La Niña que estava em curso, as chuvas atrasaram e em muitos locais do Brasil Central só vieram em novembro, o que jogou pra frente também a janela de plantio do milho segunda safra que no último ciclo foi severamente afetado pelas adversidades climáticas.

Neste ano, também devemos ter atrasos no regime de chuva das principais áreas produtoras do país, mas se espera que não seja algo tão grave quanto no ano passado.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Neste ano estamos sob uma neutralidade climática com um novo La Niña no radar que deve se instalar lá para o decorrer da primavera e promete não ser tão intenso, muito menos duradouro”, avisa Celso Oliveira, meteorologista da Somar.

Primeira quinzena
As próximas quinzenas mostram que a chuva agrícola vai demorar a espalhar pelo Sudeste e Centro-Oeste. Ainda assim, o retorno da precipitação será mais precoce que no ano passado, acontecendo ainda no início de outubro. O mês de setembro ainda será quente e com pouca chuva. Então, mesmo com o término do vazio sanitário, a maior parte das áreas produtoras permanecerá no aguardo de chuva mais intensa. Já na região Sul, a chuva será mais frequente e intensa, com exceção do norte do Paraná.

A primavera vai começar no dia 22 de setembro, às 16h21, horário de Brasília. A estação começa com chuvas fortes em grande parte do país, acumulando volumes acima da média principalmente entre o Sudeste e o Centro-Oeste. Apesar dos volumes elevados, a frequência ainda será irregular ao longo do mês. Nas áreas mais ao norte do Nordeste o predomínio é de sol e tempo seco. No Sul, apenas o Paraná e Santa Catarina terão chuvas frequentes e regulares.

Temperaturas
Em relação às temperaturas, podemos esperar duas ondas de frio. A primeira acontece a partir desse fim de semana com a chegada de uma nova frente fria que será seguida de uma massa de ar de origem polar. As temperaturas vão ficar mais baixas apenas entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. A segunda onda de frio está prevista para o dia 20 de setembro, algo que poderá trazer danos para o trigo e para o milho.

Portal Guaíra com informações do Canal Rural