Laudos feitos pelo Instituto Médico-Legal (IML) confirmaram que o menino de três anos que morreu em Cianorte, no noroeste do Paraná, foi vítima de agressão, segundo a Polícia Civil. Os resultados dos exames saíram no sábado (27).

O menino foi levado a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), na quinta-feira (25), pelo padrasto. Ele chegou com vida à unidade, mas morreu em seguida. O homem foi preso e negou as agressões em depoimento.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

A polícia informou que os laudos indicaram que a causa da morte foi uma hemorragia causada pelo rompimento do pâncreas. Além disso, o IML não constatou evidências que indicassem violência sexual.

O delegado-chefe de Cianorte, Jonas Amaral, afirmou que a Justiça converteu a prisão do padrasto em preventiva.

Além disso, a Polícia Civil disse que pediu à Justiça uma perícia na casa da família. O caso continua sendo investigado.

O caso
Após a morte do menino na UPA, funcionários chamaram a Polícia Militar (PM). Segundo a PM, a vítima tinha machucados pelo corpo.

O padrasto prestou depoimento à Polícia Civil e negou que tenha agredido o menino. Ao ser perguntado sobre os machucados da criança, o homem disse que foram causados enquanto ela brincava.

Familiares da mãe do menino disseram que o casal estava junto há um ano e que viviam em uma casa aos fundos da residência da avó materna da criança.

A mãe do menino também foi ouvida. Ela disse que o convívio do padrasto com o menino, na percepção dela, era saudável, mas que a vítima não gostava de ficar sob os cuidados do homem.

A polícia apura uma possível omissão ou conivência da mulher no caso.

Portal Guaíra com informações do G1