O Ministério Público do Paraguai segue com as investigações do assassinato do empresário Kevin Rojas, morto em 20 de dezembro de 2012, no município de Limoy sobre a supercarretera. Os trabalhos estão a cargo da Seção de Homicídios, que inclui várias pistas principais, de acordo com últimos relatórios divulgados.

O inspetor Richard Vera, anunciou vários procedimentos que deverão acontecer esta semana no processo criminal. Ele também mencionou que há fortes evidências contra os suspeitos.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

De acordo com Vera, a investigação é lenta porque são realizadas em áreas remotas de Ciudad del Este. Para o Ministério Público, há indícios e dados dispersos que precisam ser verificados para atingir a meta. Vários agentes estão mobilizados trabalhando na investigação.

Kevin Rojas, assassinado no final de 2012
Kevin Rojas, assassinado no final de 2012

RELEMBRANDO O CASO

O assassinato ocorreu na quinta-feira, 20 de dezembro de 2012, na supercarretera – jurisdição de Santa Fé del Paraná, por volta de 13h45, quando Kevin Rojas e seu segurança, o oficial de polícia Cesar Alcides Cardozo, foram atacados quando estavam viajando em uma S10 Chevrolet, cabine dupla, preta, placa BJB 821 para Ciudad Del Este.

O jovem sofreu um ferimento de bala na altura do abdômen, em seguida, foi resgatado e levado para o Hospital Central, onde não resistiu e morreu após passar por cirurgia. Por sua vez, o policial foi ferido no pescoço e permaneceu internado em um hospital na capital paraguaia.

Os autores foram seis homens com pistolas e rifles que estavam em um carro Honda Civic, cor preta, sem placas, que foi abandonado em uma estrada rural. Os supostos criminosos fugiram para o distrito de Mbaracayú adentrando em uma mata. Foram perseguidos pela polícia, gerando um tiroteio.

Na ocasião, foi preso Wagner Alexander Knort e encaminhado ao Ministério Público. No local a polícia apreendeu muitas balas de diversos calibres e uma motocicleta da estrela 200 cc, cor preta, com placa de 107 DAE. O representante do Ministério Público pediu a prisão do suspeito, que permanece na Sede da Polícia na capital.