ad

O Siate foi chamado ao cruzamento das ruas Souza Naves e Amizade, bairro 14 de Novembro em Cascavel para socorrer duas crianças vítimas de afogamento. A menina e o menino, ambos 7 anos, são primos e foram levados por familiares às pressas para a UPA I. Os dois chegaram à unidade ainda com vida, mas não resistiram e morreram. O acesso para chegar ao rio é bem difícil, mas isso não impediu que as crianças fossem até o local.

Dois primos, Amanda e Adrian Vitor, ambos com 7 anos, morreram afogados.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Sidnei que é vizinho da família das crianças e resgatou o menino e conta que ele ainda estava vivo quando foi retirado da água. “Eu estava chegando em casa, quando eu vi uma menininha correndo, chorando e pedindo socorro que tinha duas crianças afogadas na água. Eu e mais dois rapazes descemos correndo, entramos na água, procuramos e não achamos. Quando o outro rapaz estava saindo, ele bateu com as pernas em uma das crianças, voltei e tirei o garotinho da água. no meio do caminho subindo, o pai da outra criança conseguiu encontrar a menina. Imagina o tempo que ele ficaram lá dentro. Eu fiz respiração boca a boca no menino, fiz o que pude. A única coisa que ele fez foi vomitar tudo em mim, mais nada. Ainda ele tinha pulso”, relata Sidnei.
As crianças foram levadas a Unidade de Pronto Atendimento, por vários minutos os médicos tentaram reanimá-las, mas já era tarde.

No local é comum crianças irem desacompanhadas dos pais. Além disso há um ponto bem fundo, o que torna o lugar mais perigoso. Quando nossa equipe de reportagem estava no rio, encontraram dois adolescentes dentro da água, um de 15 e outro de 13 anos e eles confirmaram que muitas crianças frequentam o rio e que nem sempre há um adulto por perto. Mesmo com a morte das crianças, os adolescentes disseram que continuaram frequentando o local.

Já para a família das crianças o fim de ano será de muita tristeza. “Como vamos ter alegria com dois netos mortos na véspera de fim de ano? Que fim de ano, que começo de ano, nós vamos ter? Como vai ficar a nossa família?”, indaga inconformado o avô das crianças.

Fonte: Catve