(Foto: Carlos Umberto de Grandis)

O piloto Lyncoln Carneiro, de 59 anos, e o passageiro Carlos Morales, de 57 anos, que morreram na queda de um avião, no sábado (20), em Cascavel, no oeste do Paraná, eram amigos e apaixonados por aviação, segundo familiares.

De acordo com a família, uma foto foi tirada antes do acidente, pouco tempo antes da decolagem. Ela mostra os empresários dentro da aeronave. Veja abaixo.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

“Ele era apaixonado, assim como nós. A gente fala que isso está na nossa veia, está no sangue. Ele morreu fazendo o que gostava, morreu voando”, disse Marcelo Vascelai sobre o amigo Morales.

Conforme a família, os amigos eram acostumados a sobrevoar a região e faziam um passeio curto quando o avião caiu.

A queda foi a menos de um quilômetro da pista de pouso do aeroporto particular. A causa do acidente está sendo investigada.

Os corpos dos dois empresários foram velados e enterrados no domingo (21), em Cascavel.

Lyncoln ocarneiro era dono de um colégio e de um restaurante tradicional da cidade. Ele deixou a esposa e dois filhos.

“As crianças amavam ele. Esse coração, que a gente fica como lembrança, sabe? Coração de uma pessoa que foi boa realmente, que Deus possa recebê-los de braços abertos”, contou o amigo Marcos de Souza Goés sobre o piloto.

A queda
O avião de pequeno porte caiu em uma área de plantação, às margens da PR-486, deixando a aeronave totalmente destruída.

O modelo do avião, considerado de caráter experimental, era uma espécie de ultraleve e de fabricação italiana. A aeronave pertencia a Carneiro, que pilotava o avião.

Conforme a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a situação do avião era regular.

Militares do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa) começaram, no domingo (21), a realizar a perícia para tentar identificar a causa do acidente.

A Polícia Federal (PF) também esteve no local do acidente e analisou peças do avião para tentar entender o que aconteceu com a aeronave.

Não há prazo para o fim das investigações do Seripa e da PF.

Portal Guaíra com informações do G1