Um homem, de 69 anos, foi condenado, nesta quarta-feira (11), a 16 anos e três meses de prisão por matar a esposa, de 59 anos, e ferir a vizinha com facadas, em Cascavel, no oeste do Paraná.

O julgamento de Sinvaldo Alves de Souza foi realizado de forma remota, durou aproximadamente seis horas. O réu, que havia sido preso e submetido a monitoramento com tornozeleira eletrônica, não estava presente.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

O crime foi registrado no dia 28 de janeiro e, segundo a Polícia Civil, foi o primeiro caso de feminicídio na cidade neste ano.

De acordo com a sentença, Alves deve ser preso imediatamente.

Ele foi condenado por homicídio com os agravantes de feminicídio, motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima, além da condenação por lesão corporal leve, em relação aos ferimentos que provocou na vizinha.

O defensor do Ministério Público do Paraná (MP-PR) informou que vai recorrer da decisão porque não concorda com a dosimetria da pena e entende que, no caso da vizinha, o que houve foi tentativa de homicídio.

O advogado do réu disse que também pretende recorrer e pedir para que o cliente não seja preso imediatamente.

Feminicídio
Ordélia Teodoro Ferreira, esposa do réu, tinha acabado de chegar em casa com uma amiga e vizinha do casal. Segundo as investigações, o marido chegou em seguida e, durante uma discussão, esfaqueou as duas mulheres.

A polícia informou que Ordélia tinha voltado da igreja e estava fazendo pão com a amiga quando o crime aconteceu.

Ela foi atingida com facadas no rosto e no pescoço, foi socorrida, mas morreu antes de chegar ao hospital. A amiga, que estava com ela, sofreu ferimentos no braço. Ela foi levada para Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Tancredo e recebeu alta.

Sinvaldo de Souza tentou fugir do local, de acordo com as investigações, mas foi encontrado por moradores, que o seguraram até a chegada da polícia. Ele estava com a faca usada no crime e foi levado para a delegacia.

O casal viveu junto durante seis anos.

Portal Guaíra com informações do G1