Ainda era cedo quando os ônibus de Cascavel foram recolhidos. Eles foram para a garagem mais cedo por determinação da Cettrans (Companhia de Engenharia de Transporte e Trânsito de Cascavel) e das empresas responsáveis pelo transporte da cidade. O motivo: insegurança.

Na segunda-feira (28), quatro veículos foram alvos de bandidos. Os crimes ocorreram com as mesmas características: armados, os suspeitos abordaram os motoristas, pediram que os passageiros descessem, jogaram gasolina e atearam fogo.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Desavisada, a população esperou sem resposta nos terminais de transbordo. Os veículos costumam trafegar até por volta da meia-noite. Por isso, quem voltava do trabalho ou dos estudos foi pego de surpresa.

Para quem esperou, o jeito mesmo foi encontrar uma forma alternativa de transporte. Muita gente deu um jeito de arranjar uma carona. Outros optaram mesmo por um mototáxi.

Nos terminais mesmo, apenas se via os aparelhos televisores ligados. O local estava vazio e a sensação é de insegurança, por conta dos atentados.

A confusão começou na noite de domingo. Três bandidos invadiram uma casa no Bairro Tropical. Eles tentaram roubar um veículo e foram surpreendidos por um policial federal, que estava lá. O profissional deu voz de prisão aos assaltantes, que não obedeceram. Um deles, adolescente de 15 anos, acabou morto pelo policial.

Logo depois, um atentado foi registrado a um ônibus que faz a linha Paulo Godoy. O rapaz tentou atear fogo no veículo, fugiu, mas foi encontrado pela Polícia. Ele apontou uma arma de fogo para os militares, que reagiram. Cleiton Rafael Pastre de 25 anos, morreu na hora. As informações são de que ele era primo do adolescente, morto no primeiro crime. Por vingança, à tarde, outros dois ônibus foram incendiados e completamente destruídos. Ninguém se feriu.

Já na madrugada, Policiais do Pelotão de Choque de Foz do Iguaçu chegaram para reforçar o serviço. A Secretaria Estadual de Segurança Pública emitiu uma nota, e afirma que está envolvendo toda a força policial para resolver o assunto.

Com a sequência de crimes e a sensação de insegurança, até as redes sociais foram utilizadas. Mensagens enviadas via Whatsapp deram conta de uma possível movimentação de grupos de incendiários. Para a Polícia Civil, tratam-se de aproveitadores.

A Cettrans e a assessoria de imprensa das empresas responsáveis pelo transporte em Cascavel não se posicionaram a respeito do assunto. O prefeito Edgar Bueno lamentou a situação, mas disse que daria entrevista apenas nesta terça-feira.

onibus-incendiados-em-cascavel onibus-incendiados-em-cascavel-2

Portal Guaíra com informações da Catve