O último levantamento de safras da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) estima que a segunda safra de milho no Brasil será cultivada em 13,8 milhões de hectares, o que representa a maior área semeada da história do país.

Segundo o superintendente de informações do agronegócio da Conab, Cleverton Santana, esse incremento na área cultivada vai compensar eventuais perdas de produtividade em regiões que passam por estiagem como Paraná e Mato Grosso do Sul, e resultar em uma produção de 75,9 milhões de toneladas.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

A entidade estima ainda que o consumo interno do cereal represente um total de 70 milhões de toneladas com a manutenção do aquecimento da demanda, especialmente para o setor de proteínas animais e de fabricação de etanol de milho.

Já sobre as exportações, Santanta acredita em uma redução das 41 milhões de toneladas do último ciclo (a maior já registrada) para 34,5 milhões até o final do ano agrícola em janeiro de 2021 (o que seria o segundo maior número já registrado).

Como todos esses fatores, a expectativa da Conab é de nova redução dos estoques de passagem brasileiros, que foram de 16 milhões de toneladas em 2018/19, 11 milhões de 2019/20 e deve ser de 9 milhões em 2020/21 e manutenção de preços sustentados para o cereal no país.

Portal Guaíra com informações do Notícias Agrícolas