Depois de perderem o pai em um acidente de trânsito, os trigêmeos Pedro, Paulo e Felipe viram a avó, a mãe e a tia morrerem por complicações provocadas pelo novo coronavírus em um intervalo de apenas oito dias.

Órfãos aos 5 anos, os três meninos foram acolhidos e estão sob cuidados do tio, o representante comercial Douglas Junior Faria Amaral, que mora com a esposa Luana Amaral, em Votuporanga (SP).

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Ainda tentando lidar com a dor de perder três integrantes da família para a Covid-19, Douglas, de 26 anos, conta que a irmã, Karina Angélica Faria, de 33 anos, morreu no dia 13 de março.

Três dias depois, a outra irmã e mãe dos trigêmeos, Ana Paula Faria, de 37 anos, também não resistiu. A última a vir a óbito da família foi a mãe Valentina Peres Machado, de 66 anos.

“Fiquei sem chão. Não conseguia acreditar que estava passando por aquilo. Foi terrível enterrar minhas duas irmãs e minha mãe uma atrás da outra, sem poder vê-las pela última vez. Pegaram os corpos, colocaram em um caixão e enterraram”, diz Douglas, que também é pai de uma menina de 1 ano e 7 meses.

Ana Paula, Karina e Valentina moravam e foram sepultadas em Parisi, cidade onde o pai dos trigêmeos, Renato Santos, sofreu o acidente há cinco meses.

‘Sem chão’
Depois de as três mulheres começarem a apresentar os sintomas associados à Covid-19, a primeira da família que precisou ser internada foi Valentina. Até então, Ana Paula e Karina permaneciam na casa onde moravam, sem apresentar sintomas graves da doença e recebendo acompanhamento médico.

Porém, Douglas diz que as duas irmãs pioraram e também precisaram procurar ajuda no posto de saúde de Parisi, cidade que conta com apoio de hospitais da região para atender pacientes com quadros avançados da doença.

“Meu outro sobrinho, de 18 anos, também testou positivo. Os três foram juntos para o posto de saúde. A Ana Paula era quem estava pior dos três. Meu sobrinho recebeu alta, mas minhas irmãs permaneceram internadas porque não tinha vaga disponível em outros hospitais. Está tudo lotado”, diz.

Enquanto aguardava por um leito, Karina piorou repentinamente, sendo necessário que os profissionais de saúde acionassem uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para atendê-la às pressas

“Quatro horas da manhã meu pai, que trabalha na área da saúde, ligou para dar a notícia da morte da Karina. Meu tormento começou nesse momento. Minha vida virou de ponta cabeça e começou a ficar escura”, afirma.

No mesmo dia em que o representante comercial enterrou Karina, Ana Paula conseguiu ser transferida para a Santa Casa de Votuporanga, município a cerca de 16 quilômetros de distância de Parisi.

“Passei a noite inteira no hospital, querendo saber notícia da Ana Paula, mas ninguém me dava. No domingo, um amigo, que trabalha dentro do hospital, ligou e perguntou se minha irmã tomava algum remédio controlado, porque ela estava sedada, mas muito agitada. Fui buscar o remédio e o entreguei para a assistente social”, relembra Douglas.

Portal Guaíra com informações do G1