O protesto contra o pedágio que estava marcada para ontem (28) à noite no Trevo Cataratas, em Cascavel, foi cancelado na última hora. O motivo foi o despacho do juiz substituto da 1ª Vara Cível e Criminal de Cascavel, Leonardo Cacau Santos La Bradbury, que concedeu um mandado em ação de interdito proibitório movido pela Rodovia das Cataratas, concessionária do trecho da BR-277 no trecho em Foz do Iguaçu e Guarapuava, contra o ativista político Thiago Branco.

Pela decisão do juiz, Thiago deve se abster de promover qualquer tipo de tumulto, bloqueio ou ocupação da BR-277, sob pena de multa de R$ 10 mil por hora caso haja o descumprimento. O ativista político é um dos organizadores do movimento que pretendia ocupar a rodovia, cobrando a duplicação da 277 e o alto valor do pedágio.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

trevo-cataratas

A decisão frustrou o protesto, cuja previsão era reunir cerca de 600 pessoas. Porém, um pequeno grupo apareceu no local. Thiago disse que a decisão não o intimida e que a manifestação faz parte do movimento nacional que está saindo nas ruas no Brasil, para reivindicar direitos, cobrar serviços públicos de qualidade e também reivindicar redução das tarifas de pedágio e a duplicação da 277.

“É um direito nosso, tantas vidas ceifadas, isso é revoltante, pagamos tão caro pelo pedágio e as obras de duplicação não saírem do papel”, disse o ativista. A liminar também tem validade para hoje, quando comerciantes e profissionais liberais pretendem fazer uma nova passeata pela rodovia até a praça de pedágio em Cascavel.

Sobre esse movimento, o ativista disse que não faz parte da organização. No despacho, o juiz concede uma distância mínima de 500 metros da praça de pedágio. O magistrado também permite a manifestação desde que seja pacífica e sem interdição da pista.

Fonte: O Paraná