Um bebê de oito meses morreu após sofrer um acidente no ultimo final de semana na Rodovia Cândido Portinari em Franca (SP). A caminhonete em que a criança estava capotou após bater em um carro na altura do km 401, próximo ao acesso ao bairro Jardim Guanabara. Segundo a Polícia Rodoviária, o menino viajava no colo da mãe, de 18 anos, e o pai, também de 18 anos, que dirigia o veículo, não possuía habilitação.

Os pais do bebê sofreram ferimentos leves e foram levados para a Santa Casa de Franca, e o motorista do carro não se feriu. O trânsito não chegou a ser interrompido no trecho.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------
Acidente mata bebê de 8 meses em Franca, SP (Foto: Ângelo Pedigone/Jornal Diário da Franca)
Acidente mata bebê de 8 meses em Franca, SP (Foto: Ângelo Pedigone/Jornal Diário da Franca)

Acidente
A Polícia Rodoviária informou que o menino viajava nos braços da mãe, no banco do passageiro da caminhonete de cabine simples, quando houve a colisão. A caminhonete foi atingida na lateral por um Gol e capotou várias vezes até parar no canteiro da rodovia. O menino sofreu ferimentos graves e morreu no local.

Segundo os policiais, os dois motoristas envolvidos deram versões diferentes para o acidente. O pai da criança afirmou que foi tentar fazer uma ultrapassagem quando foi surpreendido pelo motorista de trás, que bateu o carro na lateral da caminhonete. Ele disse que perdeu o controle da direção, fazendo com que o veículo capotasse.

Já o motorista do carro declarou à polícia que começou a fazer a ultrapassagem, mas o motorista da caminhonete não viu a manobra e entrou na frente do veículo, causando a batida.

A polícia informou que, no momento do acidente, o motorista do Gol deixou o local com medo de ser agredido pelas pessoas que paravam para acompanhar o caso. Ainda segundo a polícia, o rapaz telefonou para a base da Polícia Rodoviária, avisou sobre o fato e foi orientado a voltar para ajudar o trabalho da perícia.

Segundo a Polícia Civil, o pai da criança poderá ser indiciado por homicídio e lesão culposas.

Fonte: G1