Em torno de 140 caminhões aguardam em Salto Del Guairá para entrar no Brasil
Em torno de 140 caminhões aguardam em Salto Del Guairá para entrar no Brasil

O baixo nível da água no Lago de Itaipu forçou balsas que fazem a travessia em Guaíra a paralisar o serviço desde o último dia 27. Há cerca de dez dias, as embarcações já operavam com meia carga. Porém, na última semana o rebocador quebrou após bater em pedras e foi preciso auxílio para que a balsa retornasse à cabeceira do Lago.

Sem condições de navegar, ambas estão estacionadas no lado paraguaio. A suspensão da travessia fez com que em torno de 140 caminhões estejam parados em Salto del Guairá (PY) aguardando para passar para o Brasil. Já no Porto Internacional Sete Quedas, em Guaíra, há somente cerca de cinco veículos.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Segundo informações, os 140 caminhões já foram liberados para entrar no lado brasileiro, mas não conseguem fazer a travessia devido à falta do serviço com a balsa. Eles teoricamente não poderiam utilizar como rota alternativa a Ponte Ayrton Senna, por onde precisariam passar pela Receita Federal de Mundo Novo (MS), pois a carga é liberada para o Paraná.

Porém, devido ao problema na navegação, ontem (04) o delegado adjunto da Receita Federal de Foz do Iguaçu, Osvaldo Toshio, autorizou o transporte via Mundo Novo, após ser protocolada na quinta-feira (03) a solicitação. Com o aval, 30 caminhões poderão passar pela Ponte Ayrton Senna diariamente, em comboio e com acompanhamento, a partir de segunda-feira (07).

Santa Helena

Em Santa Helena, as balsas ainda estão fazendo a travessia no Lago de Itaipu com destino ao porto internacional. A informação é do secretário municipal de Indústria, Comércio, Turismo e Administração Portuária, Leandro Soethe. “A situação ainda está dentro do controle. O problema é o atracadouro, que não está sendo mais usado. Foi aberta uma via lateral e as máquinas estão trabalhando para deixá-la sempre apropriada para o desembarque dos caminhões”, menciona.

Fonte: O Presente