O ex-presidente argentino Carlos Menem (1989-1999) foi condenado ontem pela Câmara de Cassação argentina pelo contrabando de armas ao Equador e à Croácia durante seu mandato. A pena será fixada por outro tribunal.

O tribunal também condenou o ex-ministro da Defesa Oscar Camilión por “contrabando agravado de 6,5 mil toneladas de armamento e munições” aos dois países. Emir Yoma, ex-assessor presidencial e ex-cunhado de Menem, foi absolvido pela corte.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

De acordo com fontes judicias, a decisão ordena que o Tribunal Penal Econômico 3, corte que absolveu Menem e Camilión em 2011, fixe uma nova pena. A legislação argentina prevê pena que pode variar entre 5 a 15 anos pelo crime de contrabando de armamento. A defesa do ex-presidente disse que recorrerá da decisão.

Por atualmente ocupar o cargo de senador, Menem, de 82 anos, tem fóruns que o protegem de prisão. Dessa maneira, ele só poderá ser preso se o caso passar por um julgamento político.

A Câmara Federal de Cassação Penal julgou o caso depois de o Ministério Público Fiscal e a Alfândega argentina apelarem à decisão judicial de 2001, quando um tribunal absolveu todos os acusados.

No julgamento, o ex-mandatário disse que apenas “se limitou a assinar decretos de exportação de armas” à Venezuela e ao Panamá, não tendo participação nos desvios ao Equador e à Croácia.

“O contrabando foi considerado agravado por se tratar de material bélico e por ter sido realizado com a participação de funcionários públicos”, afirma um trecho da decisão.

O caso 
Menem é acusado de ter contrabandeado 6,5 mil toneladas de armamento. Os instrumentos de guerra embarcados em Buenos Aires tinham como suposto destino o Panamá e a Venezuela. As armas, porém, foram desviadas à Croácia, em 1991, e ao Equador, em 1999. Nessas datas, ambos os países estavam em meio a conflitos bélicos.

Fonte: FolhaWeb