(Foto: Guilherme Viana/Embrapa)

O analista Paulo Molinari, da consultoria Safras & Mercado, elencou os fatos que merecem atenção dos produtores de milho, porque podem repercutir nos preços na próxima semana. Confira:

Mercado internacional

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------
  • O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) projeta produção recorde no país, de 388 milhões de toneladas;
  • Mesmo com aumento de exportações e demanda interna, os estoques norte-americanos também são os maiores da história, em 70 milhões de toneladas;
  • Os contratos futuros do milho na Bolsa de Chicago tem intervalo de US$ 3,10 a US$ 3,45 por bushel;
  • São esperadas perdas de 150 a 250 milhões de bushels ou até 9 milhões de toneladas, no milho, após ocorrência do derecho. Boa parte deste milho afetado deve ser utilizado em silagem;
  • O efeito para o mercado é praticamente nulo, diante do alto estoque e da grande safra que começa a ser colhida em setembro;
  • Potencial ajuste do acordo comercial com a China e avanço das compras de produtos norte-americanos como etanol, DDG e trigo podem ajudar os mercados em meio à colheita norte-americana;

Mercado interno

  • Preços seguem muito firmes;
  • As colheitas vão avançando, os produtores vão cumprindo contratos e o restante esperando para venda mais tardia;
  • Colheita em Mato Grosso praticamente finalizada;
  • Embarques de milho em agosto com nomeações para 7,3 milhões de toneladas, exportadores seguem agressivos no mercado;
  • Frango, boi, suíno, leite com preços altos oferecendo liquidez ao milho;
  • Não há possibilidade de faltar milho internamente até o fim de 2020, porém, a retenção pelo produtor diante da forte demanda interna e de exportação consolida os preços firmes;
  • Clima no segundo semestre será o novo desafio para o mercado interno, com o avanço do La Niña;
  • Ainda não se nota inversão no quadro de preços do milho internamente mais à frente.

Portal Guaíra com informações do Canal Rural