ad

A usina de Itaipu Binacional foi escolhida como cenário para o ponto de largada no Brasil da etapa nacional do reality show norueguês de aventura “The Amazing Race”, exibido pelo canal Space. Antes de passar pela usina, o reality show havia sido gravado na Argentina, primeiro em Buenos Aires e depois na vizinha Puerto Iguazú. 

Como está localizada em Foz do Iguaçu, pelo lado brasileiro, a binacional foi escolhida pelo simbolismo de integrar a região das três fronteiras.

-------------- Notícia continua após a publicidade -------------

Reality de aventura, The Amazing Race começa com 11 duplas, com integrantes de vários países. A cada etapa, os competidores recebem um envelope com as provas a serem cumpridas.

No fim de cada fase, a última dupla a chegar ao pit stop é eliminada. Apenas a vencedora ganha prêmio.

Na etapa argentina, encerrada em Puerto Iguazú, as cinco duplas finalistas tinham como desafio entrar num chiqueiro para apanhar e porcos e dormir com os animais. Depois, fizeram uma trilha pelas matas do Parque Nacional do Iguaçu.
   

O programa é produzido pela Disney Media Distribuition Latin América. Os episódios acompanham das duplas em busca do prêmio de US$ 250.000, passando por um percurso repleto de desafios e emoções, que testam os limites dos participantes.

Na usina


No último sábado, um grupo de 40 pessoas, entre produtores do programa e competidores, esteve na usina para as gravações das tomadas da primeira etapa brasileira da competição.  O programa deve ir ao ar em 2013, mas a data de exibição ainda não foi definida.

As gravações ocorreram na cota 225. Os competidores tinham como tarefa pedir ajuda aos motoristas de Itaipu, embarcar no Veículo Elétrico e seguir até o Aeroporto de Foz. Lá, eles embarcariam com destino ao Rio de Janeiro.

No meio da prova, uma surpresa. Os participantes tiveram que descer 800 metros antes de terminar o roteiro de carro e seguir a pé. Quatro duplas venceram a etapa e seguiram para o Rio de Janeiro, onde uma delas será eliminada.

O produtor local do programa, Martin Iturri, disse que Foz do Iguaçu e a Itaipu foram escolhidas como palco da disputa pela sua beleza cênica e importância para o mundo. “Eles correm o mundo e perguntaram quais destinos deveriam ser inclusos no trajeto na América do Sul. Não tive dúvidas, sugeri o Parque Nacional e a usina de Itaipu. Eles aprovaram na hora a sugestão”.

Próximos destinos


Depois da etapa brasileira, as duplas seguem para Oslo, capital da Noruega, onde serão realizadas as provas finais. O prêmio será pago em dinheiro. O valor não foi revelado.

Antes de desembarcar em Foz do Iguaçu, os competidores estiveram na Namíbia, África; em Santiago e Valparaiso no Chile, e em Buenos Aires e Puerto Iguazú, na Argentina.

Recepção

O atendimento à equipe do programa foi feito pela Divisão de Imagem Institucional (CSII.GB). O primeiro contato dos produtores com a Itaipu foi feito em novembro. Os produtores tiveram interesse em gravar na binacional pela sua importância como produtora de energia e também pelo simbolismo de integração, já que o programa encerrava a etapa argentina e partiria para o Brasil.

Participaram das gravações quatro motoristas de Itaipu: Ronaldo Menger Mateus Lima, Roland Friedrich, Sebastião Silva  e o técnico do G5, Rodrigo  Estevan Baes. O fotógrafo Caio Coronel fez o making of.  A equipe da CSII.GB (o gerente Daniel de Lara Reis, Anderson Guapo e Wagner Euclides de Souza), que manteve os contatos com o grupo, recebeu a produção.

A jornalista Abilene Rodrigues, que presta serviço para a Comunicação Social, foi conferir de perto as gravações. O evento mobilizou ainda a Segurança Empresarial, a Medicina do Trabalho e a Técnica, entre outras áreas de Itaipu.  

Foram dois meses de reuniões, visitas e locações na usina, para que a equipe de aproximadamente 40 profissionais noruegueses, costa riquenhos, argentinos e suíços pudessem, em uma manhã, realizar boas imagens.

Fonte: Assessoria